Violência doméstica é tema de palestra na construção civil

0
138
O evento que vai debater a violência doméstica integra o projeto “Construindo igualdades” promovido pelo Seconci-MG. Foto: Divulgação Seconci-MG
O evento que vai debater a violência doméstica integra o projeto “Construindo igualdades” promovido pelo Seconci-MG. Foto: Divulgação Seconci-MG
Projeto “Construindo igualdades”, promovido pelo Serviço Social da Indústria da Construção Civil no Estado de Minas Gerais (Seconci-MG), vai debater a violência doméstica e contará com participação de Lidiane Chagas, sobrevivente de uma tentativa de feminicídio que a deixou tetraplégica

A violência doméstica será tema de palestra na construção civil. Nos dias 26 e 27 de setembro, os trabalhadores da construção civil terão acesso a palestras com o tema violência doméstica e familiar contra a mulher. O evento integra o projeto “Construindo igualdades” promovido pelo Serviço Social da Indústria da Construção Civil no Estado de Minas Gerais (Seconci-MG) em parceira com o Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG). As palestras contarão com o depoimento de Lidiane Chagas —sobrevivente de uma tentativa de feminicídio que a deixou tetraplégica— e vão ocorrer na sede e em uma das obras da PHV Engenharia (Falls Shopping – rua Kepler, nº 405 – Santa Lúcia e Pallazzo Torquetti – av. Raja Gabáglia, 3.700), às 8h, na quinta-feira, e às 14h, na sexta-feira.

Além da participação de Lidiane, a juíza do 1º Juizado de Violência Doméstica e Familiar de Belo Horizonte, Maria Aparecida Consentino Agostini, e a psicóloga Mariana Viegas, técnica social na casa Sempre Viva, que acolhe vítimas de violência doméstica, estarão presentes para debater o assunto nos dias 26 e 27 de setembro, respectivamente.

Questões culturais

De acordo com Sylvia Helena Costa, supervisora do Departamento de Serviço Social do Seconci-MG, a proposta é trazer a discussão do tema da violência contra a mulher por meio de palestras de sensibilização levadas aos canteiros de obras e escritórios de empresas do setor. “O tema da violência contra a mulher, a princípio, causa certo estranhamento nos eventos educativos realizados em obras da construção civil. Por isso, é muito importante tratarmos sobre um assunto que está atrelado às questões culturais de uma sociedade ainda muito patriarcal e machista”, pondera.

Segundo Sylvia, os assuntos relacionados a saúde e segurança no trabalho dominam a programação das palestras, campanhas e Semanas Internas de Prevenção de Acidentes (Sipats) organizadas pelas construtoras. “Foi a urgência desse debate e a forma como essa questão repercute em qualquer dinâmica familiar que motivou o Seconci-MG a aderir à campanha conduzida pelo TJMG por meio da Coordenadoria da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar (Comsiv)”, explica.

A supervisora de serviço social ressalta que, desde que a construção civil abriu espaço para debater esse tema, em outubro de 2018, já foram promovidos 13 eventos, alcançando um público de 865 ouvintes. Além das duas palestras agendadas para o final de setembro, há mais duas marcadas para o mês seguinte. Em todos os eventos, juízes, psicólogos e defensores públicos vinculados à Comsiv abordam o ciclo da violência familiar, as várias formas de manifestação, a invisibilidade cotidiana e os recursos legais para coibi-la. “As exposições, seguidas de debates, mostram que esse ciclo costuma ser repetitivo e tende a ser reproduzido por aqueles que o testemunham e vivenciam”, acrescenta Sylvia Helena Costa.

Serviço – palestra “Violência doméstica e familiar contra a mulher”

26 de setembro (quinta-feira)

Local: Sede da PHV – praça de alimentação Falls Shopping (rua Kepler, nº 405 – Santa Lúcia)

Horário: 8h

Palestrante: Maria Aparecida Consentino Agostini (juíza do 1º Juizado de Violência Doméstica e Familiar de Belo Horizonte), com a participação de Lidiane Chagas

27 de setembro (sexta-feira)

Local: obra Pallazzo Torquetti – av. Raja Gabáglia, 3.700

Horário: 14h

Palestrante: Mariana Viegas (psicóloga e técnica social na casa Sempre Viva, que acolhe vítimas de violência doméstica)