Materiais de construção tem piora do cenário de vendas

0
303
Para o mês de abril, a expectativa das industrias de materiais de construção chega a 45% de desempenho “bom” ou “muito bom”
Para o mês de abril, a expectativa das industrias de materiais de construção chega a 45% de desempenho “bom” ou “muito bom”
Em marco, a expectativa das indústrias de materiais de construção caiu para 24%

O setor de  materiais de construção teve uma queda de expectativa nas vendas em março. Pesquisa conduzida entre todas as empresas associadas da Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção (ABRAMAT), o termômetro apontou que para apenas 24% das associadas o resultado em março foi “bom” ou “muito bom”, enquanto que em fevereiro esse resultado havia alcançado 48%. As expectativas de venda para o mês de abril, contudo são melhores, com 45% das empresas projetando um desempenho “bom” ou “muito bom”.

Importante medidor da atividade industrial, o nível de utilização da capacidade instalada das empresas associadas está em consonância com a redução do otimismo no curto prazo, chegando a 72% (4% abaixo do observado em fevereiro). 

Em relação às expectativas sobre as ações governamentais, altas desde a vitória do atual governo nas eleições em 2018, pela primeira vez desde então teve uma mudança mais sensível. O termômetro indica que, mesmo sem avaliações “pessimistas”, pela primeira vez desde outubro de 2018 é maioria o número de empresas “indiferentes” às ações governamentais, 55%, contra 45% que seguem “otimistas”.

Setor espera boa vontade do governo

“O setor acredita na boa vontade do governo, tanto é que não há associados pessimistas com suas ações, no entanto é inegável que o não andamento de algumas reformas e medidas econômicas, previamente anunciadas, prejudicaram o setor. Dessa forma o faturamento da indústria de materiais de construção foi abaixo do esperado, como tem demonstrado nossas pesquisas. A indústria de materiais está, nesse caso, em consonância com um movimento que é comum a praticamente todos os segmentos da iniciativa privada,  e não  por acaso. Reiteramos que vemos no governo bastante atenção e determinação para conduzir pautas de relevância econômica, mas agora já indo para o seu terceiro mês, cresce a expectativa pela confirmação de medidas concretas que estimulem a retomada do crescimento do país” afirma Rodrigo Navarro, presidente da ABRAMAT.

Momento de evidência

O setor da construção civil passa por um momento de grande evidência no ano durante o mês de abril. Além da já tradicional Feicon Batimat, maior feira de negócios do setor na América Latina, foi anunciado nessa semana (vide reportagem do Valor Econômico) que no dia 10/04 a cúpula do governo federal realizará a primeira mesa executiva de debate com a iniciativa privada, tendo como primeiro setor convidado a construção civil. Dentre outros interlocutores, o encontro contará com a representação da indústria de materiais de construção por Rodrigo Navarro, presidente da ABRAMAT.

Sobre a ABRAMAT

A ABRAMAT conta com aproximadamente 350 unidades fabris de 40 empresas associadas situadas em todas as regiões do país, que são líderes na produção de materiais de construção em diversos segmentos do setor. Para a elaboração de seus relatórios são utilizados dados oficiais disponíveis, pesquisas com associados, análise interna da equipe e metodologia FGV desenvolvida com exclusividade para a ABRAMAT.