Confiança na construção civil em Minas sobe 3 pontos

0
138
O índice de confiança na construção civil em Minas Gerais, medido pelo ICEICON-MG, está em alta
O índice de confiança na construção civil em Minas Gerais, medido pelo ICEICON-MG, está em alta
Índice de confiança na construção civil em Minas Gerais alcançou 53,8 pontos em julho

A confiança na construção civil em Minas Gerais subiu. O Índice de Confiança do Empresário da Indústria da Construção de Minas Gerais – ICEICON MG – atingiu 53,8 pontos em julho, crescimento de 3,0 pontos em relação a junho (50,8 pontos). O resultado foi influenciado pela menor insatisfação com as condições atuais de negócio, bem como pelas expectativas mais positivas para os próximos seis meses. O índice afastou-se da linha divisória dos 50 pontos, fronteira entre confiança e falta de confiança, o que significa que a confiança está mais disseminada entre os empresários do setor.

O indicador foi 14,2 pontos superior ao verificado em julho de 2018 e o mais elevado para o mês desde 2012, quando alcançou 55,8 pontos. O ICEICON nacional também aumentou em julho (58,7 pontos), na comparação com junho (57,0 pontos). O ICEICON-MG é resultado da ponderação dos índices de condições atuais e de expectativas, que variam de 0 a 100 pontos. Valores acima de 50 pontos apontam percepção de melhora na situação atual e expectativa positiva para os próximos seis meses, respectivamente. O índice de condições atuais cresceu 4,9 pontos entre junho (42,6 pontos) e julho (47,5 pontos).

Condições de negócios estão abaixo dos 50 pontos

Apesar da alta mensal, o indicador revelou que os empresários da Construção perceberam piora nas condições atuais de negócio, ao continuar abaixo de 50 pontos. Contudo, o índice foi 10,2 pontos superior ao apurado em julho de 2018 (37,3 pontos) e o maior para o mês em sete anos.

O indicador de expectativas para os próximos seis meses aumentou 2,1 pontos em julho (57,0 pontos), frente a junho (54,9 pontos). As perspectivas dos construtores foram positivas pelo décimo mês consecutivo, embora os índices venham oscilando mensalmente entre altas e baixas. O indicador foi 16,3 pontos acima do observado no mesmo mês de 2018 (40,7 pontos) e o primeiro resultado de julho a superar os 50 pontos em sete anos.