Vetor Norte de Belo Horizonte terá bairro planejado e sustentável

0
641

Granja Werneck  foi planejada pelo urbanista Jaime Lerner

A região do Ribeirão Isidoro, localizada no Vetor Norte de Belo Horizonte e que faz divisa com os bairros Novo Tupi, Ribeiro de Abreu, Antônio Ribeiro de Abreu, Lajedo e Tupi B, receberá um projeto inovador de ocupação. A iniciativa de revitalização da região, denominada Projeto Granja Werneck em função do nome da família que era proprietária de parte da área, prevê uma ocupação sustentável, pensada em consonância entre órgãos municipais, comunidade local e grupos empreendedores.

Para desenvolver o bairro, foram contratadas pesquisas e diagnósticos de impactos ambientais, sociais, econômicos e viários. A proposta é criar uma nova centralidade no vetor norte de Belo Horizonte, complementando os projetos que já estão em andamento nessa área e permitindo a expansão da cidade. Outro objetivo é fomentar a vida em comunidade na região, tornando-se uma referência urbana para a vizinhança.

A Granja Werneck contará com prédios, um centro comercial e de serviços (batizado de Aldeia), um parque público municipal e novas vias de acesso. Além disso, as unidades habitacionais construídas até 2014 serão utilizadas por visitantes e jornalistas participantes da Copa do Mundo de Futebol. As comunidades e a instituição de longa permanência já existentes na região também serão preservadas e incluídas no projeto, cujo planejamento urbano está sendo conduzido por Jaime Lerner, um dos maiores especialistas do país em desenvolvimento urbano com sustentabilidade.

Planejamento social e ambiental

Para viabilizar a ocupação urbana da região, foi realizada uma pesquisa junto à população local, para ouvir sua avaliação, percepção e opinião sobre o futuro bairro. A intenção é desenvolver a iniciativa contando com a contribuição e participação local. Também foram realizados levantamentos sobre as estruturas de saúde e educação e índices socioeconômicos da região.

A questão ambiental merece grande destaque. Para garantir a sustentabilidade do empreendimento, empresas especializadas, como a mineira Myr Projetos Sustentáveis, analisaram fontes de água e vegetação. Uma das principais orientações do estudo foi a definição de uma grande área verde a ser preservada, que será transformada em parque público, o segundo maior de Belo Horizonte. A iniciativa vai proteger as nascentes, impedir
desmatamentos e acúmulo de lixo e se transformar num espaço de lazer único para a população da região. Atualmente, a área vem sofrendo com graves problemas de ocupação irregular, entulho, poluição de córregos e retirada de recursos naturais.

Outros parques serão instalados, com playground, quadras, trilhas e um espaço para shows e eventos. Além disso, o bairro terá praças e ciclovias e as construções vão obedecer a padrões ecológicos, como a redução do consumo de água e aproveitamento de luz e ventilação natural.

Acessibilidade

Para que o novo bairro seja acessível, foram realizados estudos viários e de acessibilidade pela empresa Tectran. A solução, definida a partir do diagnóstico, prevê a inauguração de duas vias de acesso à região, a Via 540 e a Norte-Sul, que serão construídas por meio de uma parceria entre a Prefeitura de Belo Horizonte e grupos privados. Os acessos serão conectados à avenida Cristiano Machado, à MG-20 e a Santa Luzia. Além disso, serão implantadas novas linhas de ônibus para a ligação da região a outros pontos de Belo Horizonte e cidades vizinhas.

Autonomia: centro de comércio e serviços

A Granja Werneck contará com um centro independente de comércio e serviços, chamado “Aldeia”. O projeto inclui, também, a instalação de escolas municipais e estaduais, da educação infantil ao ensino médio. Está prevista a implantação de um núcleo profissionalizante do Senai, quatro centros de saúde e um posto policial. O dimensionamento das áreas institucionais foi baseado na estimativa de demanda projetada para um número de moradores dentro do cenário de ocupação máxima.

As obras de construção do bairro vão gerar empregos e movimentar a economia da região, além das oportunidades pra quem quiser investir em negócios dentro dos limites do novo bairro.

Alternativa para a Copa de 2014

Como solução para abrigar a população flutuante que Belo Horizonte receberá em 2014, devido ao fato de ser sede de jogos da Copa do Mundo de Futebol, o projeto se transformará, temporariamente, em uma “Vila da Copa”. Durante a ocasião, serão disponibilizados cerca de 3 mil leitos para visitantes e jornalistas. Depois da Copa do Mundo, as unidades serão repassadas aos proprietários definitivos.