Vendas de imóveis novos em São Paulo caem 20% em janeiro

1
269
Aluguel em São Paulo subiu menos que o IGP-M em 2014, segundo o Secovi-SP
Aluguel em São Paulo subiu menos que o IGP-M em 2014, segundo o Secovi-SP

As vendas de imóveis novos residenciais na cidade de São Paulo caíram 20,6% em janeiro, em relação ao mesmo período de 2012. Neste ano, foram vendidas 848 unidades contra 1.068 unidades em janeiro de 2012. Os números foram divulgados pelo Sindicato da Habitação (Secovi-SP).

Em relação aos lançamentos, a Empresa Brasileira de Estudos de Patrimônio (Embraesp) apurou no mês 660 unidades na Capital, contra 674 imóveis em janeiro do ano passado, o que representou variação de menos 2,1%.
Os apartamentos de dois dormitórios representaram 54,4% das vendas no primeiro mês de 2013 na capital paulista. Foram 461 imóveis. As unidades de três quartos ocuparam a segunda colocação, com 21,9% e 186 unidades comercializadas.

Região Metropolitana
A Região Metropolitana de São Paulo (RMSP), representada pela cidade de São Paulo e mais 38 municípios, começou o ano com a venda de 2.150 imóveis novos residenciais em janeiro – crescimento de 11,5% diante do mesmo mês de 2012 (1.929 unidades). Comparado a dezembro, período que antecede a sazonalidade, a variação foi de -71,6% (7.577 unidades).
No mês, os lançamentos residenciais na Grande São Paulo totalizaram 1.398 unidades, uma alta de 79,7% em relação ao volume lançado em igual mês do ano passado (778 unidades). As unidades lançadas no primeiro mês deste ano equivalem a 65% do total comercializado.

A Região Metropolitana cresceu 11,5% em quantidade de unidades comercializadas em relação a janeiro de 2012, em movimento contrário ao observado no município de São Paulo, que registrou queda de 20,6%. As cidades no entorno da Capital venderam 1.302 unidades no primeiro mês do ano, com aumento de 51,2% diante dos 861 imóveis novos comercializados em janeiro de 2012, período que marcou essa diferenciação de comportamento.

“O crescimento da participação dos municípios vizinhos à cidade de São Paulo no total de vendas da RMSP pode ser notado a partir de dezembro”, diz Celso Petrucci, economista-chefe do Secovi-SP.

Em janeiro, essas cidades representaram 60,6% da comercialização da Grande São Paulo, enquanto a Capital ficou com 39,4%. “No segundo semestre de 2012, a capital e os demais municípios se mantiveram praticamente empatados no que se refere à participação nas vendas, com 49,5% e 50,5%, respectivamente, o que demonstra a mudança da relação entre as cidades”, diz Petrucci.