Série: Raios-X da capital mineira: Região Oeste – Vocação para novos negócios e crescimento acelerado

0
1061
Panorâmica da Região Oeste de Belo Horizonte. Foto: http://www.skyscrapercity.com

Ana Clara Otoni
Polo de moda, de negócios, da educação e, agora, da construção civil também. Esses são alguns dos atributos da região Oeste de Belo Horizonte, tema da segunda matéria da série Raios-X da capital mineira. A gama de acessos viários — avenidas Amazonas, Silva Lobo, Barão Homem de Melo e Mário Werneck, algumas das vias que cortam a região —-, a existência da Academia da Polícia Militar em um de seus bairros, o estabelecimento de grandes colégios e faculdades, além da pegada para o negócio de roupas e eventos fazem da Zona Oeste um dos eixos mais visados por quem busca morar em uma área de fácil localização, com segurança, oportunidades de negócios e educação para os filhos.

Prova disso é o resultado da última Análise do Mercado Imobiliário realizado pelo Sindicato da Construção Civil (Sinduscon) em 2011 e que mostrou que 45% do total de apartamentos e casas vendidas no ano analisado, estavam localizados na Zona Leste de BH. Os bairros mais cobiçados da região Oeste apontados pelo estudo foram Buritis (1.008 unidades vendidas); Betânia (250), Gutierrez (177), Prado (153) e Palmeiras (92). Sendo o restante, distribuído em várias outras regiões da capital.
— Buritis é um bairro composto pela classe média, basicamente. Ou seja, é aquele filho que morou na região Centro-Sul e quando decidiu se casar e sair da casa dos pais encontrou nessa área o padrão mais aproximado de conforto, acesso e segurança, com preços mais acessíveis —, explica um dos diretores do (Sinduscon), Jorge Luiz de Almeida.

Carlan Lucas mora há 16 anos no Barroca. Foto: Divulgação

O bairro Buritis, citado por Almeida e campeão na venda de imóveis, esteve exposto à grande polêmica em 2011, devido aos prédios condomínios Art Vivre e Vale dos Buritis que tiveram problemas de infraestrutura e precisaram ser desapropriados — um deles desabou, e o outro foi demolido. O problema, porém, ficou longe de impactar de fato o mercado imobiliário da região. O empresário Carlan Lucas administra imóveis de herança e acompanha sempre o mercado imobiliário. Ele mora há 16 anos na Barroca e garante que o problema no Buritis foi “pontual”. “A demanda ainda é muito grande e a valorização da região também, o que houve lá foi muito específico e mesmo assim não impactou os preços dos imóveis negociados por lá”, afirma.

Como morador da região Carlan destaca a facilidade que sempre encontrou para se locomover na área e, principalmente, para encontrar bons colégios para o filho de 15 anos. “Ele já estudou no Salesiano, Santa Maria e, agora no Instituto Coração de Jesus. Todos são perto de casa e têm tradição”, diz. Morar na região Oeste abriu os olhos de Carlan ainda para o potencial de negócios da área, por isso, ele montou seu estúdio de impressão digital no bairro Nova Suíssa. “Meus clientes têm a maior facilidade para chegar até o meu estúdio, além das várias opções de ônibus na avenida Amazonas, há rotas alternativas que facilitam a locomoção”, explica.

Ademar Fabel, do Instituto Coração de Jesus, destaca que a região tem boas opções para a educação dos filhos. Foto: Júlia Lanari

O diretor geral do colégio Instituto Coração de Jesus, Ademar Fabel, reforça a questão do conforto que os moradores da região Oeste têm em relação à educação dos filhos. “Os pais não precisam matricular os filhos em escolas distantes para ter uma educação de qualidade”, afirma. Ilva de Bessas, diretora presidente do colégio Cotemig, compartilha da opinião de Ademar e acrescenta: “Hoje quem reside na região Oeste encontra praticamente tudo que precisa: de boas escolas a opções de diversão à noite, além de um comércio diversificado”.

Colégio Cotemig é uma das opções educacionais da Região Oeste. Foto: Divulgação

Eduardo Penna é morador do bairro Santo Antônio, na região Centro-Sul de Belo Horizonte, mas diariamente vai até o bairro Prado, onde trabalha. Ele é diretor da faculdade Estácio e comparando as duas regiões, Penna reforçou o aporte de vantagens da região Oeste. “Por estarmos muito próximos da Academia da Polícia Militar temos uma sensação muito maior de segurança; além disso, nossos alunos têm opções diversas para chegar até a instituição, sem falar no polo de moda que o bairro é na gama de comércio e valor que isso agrega para a zona Oeste”, afirma Penna.

Gargalo-  Apesar de tantas vantagens e facilidades oferecidas pela região Oeste, moradores e frequentadores da área são unânimes em apontar o trânsito como um risco crescente para a viabilidade da região. As avenidas Amazonas, Silva Lobo, Mário Werneck, Barão Homem de Melo e Raja Gabaglia são grandes corredores que circundam vários bairros que compõem a zona Oeste, mas que possuem histórico de longos congestionamentos, principalmente nos horários de pico. “Não bastasse o trânsito carregado, as obras do bulevar Arrudas na avenida Tereza Cristina têm impactado a vida do motorista que tenta chegar ao Prado, por exemplo”, reclama Penna. Ele espera que os transtornos causados com a obra sejam, contudo “pontuais” e “temporários”.
— Depois, com o fim das obras, acho que poderemos voltar à paz que permeia a região.

Eduardo Penna trabalha no bairro Prado. Ele diz que a região é tranquila, mas reclama do trânsito por causa de obras do Bulevar Arrudas. Foto: Divulgação diz que o bairro

Moradora há 30 anos do bairro Nova Suissa, Cindra Gomes, viu de perto as transformações que a região tem sofrido, inclusive, na questão da mobilidade. Ela, porém, aponta um meio de transporte alternativo para quem deseja fugir do gargalo do trânsito na Zona Oeste. “Estamos no meio de duas estações de metrô: a do Calafate e a da Gameleira. Isso, com certeza facilita”, diz. A verticalização da região foi outra mudança que Cindra percebeu ao longo dos anos, mas encara a construção de novos prédios como “modernização” e “valorização” para a região. “Com a proximidade do Expominas, vejo que o turismo de negócios tem crescido por aqui e vários hotéis já começaram a ser construídos na região. Isso é muito bom”, afirma Cindra, já vislumbrando negócios para a agência de eventos da qual é proprietária. A Estrela Brasil Eventos está localizada no bairro Nova Suissa também e, por conta dessa localização, Cindra almeja ampliar seu mercado. “Os hotéis vão melhorar a estrutura dos bairros, promover novos negócios e modernizar a região”, diz.
Raios-X da região Oeste
População
A Regional Oeste conta hoje com uma população de 268.124 habitantes, segundo dados do IBGE 2000. Esta população está distribuída nos 37 bairros oficiais da região. Grande parte da população está concentrada entre a avenida Amazonas, Anel Rodoviário e o Ribeirão Arrudas.
Domicílios residenciais: 76.949 * IBGE 2000.

História
No começo do século XX iniciou-se a ocupação da região Oeste.
Início da década de 1980: surgimento dos bairros Buritis e Estoril.
1935 a 1938: primeiras ocupações no Morro das Pedras.

Localização e dados geográficos
A Regional Oeste situa-se na bacia do Ribeirão Arrudas, sendo a maior parte de seu território interceptado por afluentes, entre os quais se destacam os córregos Biqueiras e Marinho, que já foram canalizados, constituindo as avenidas Barão Homem de Melo e Silva Lobo, e o Córrego do Cercadinho, que separa vários bairros.
A região Oeste ocupa 32,10km² do território do município de Belo Horizonte.
Atividade econômica
. Serviços: 57%
. Comércio: 15%
. Indústria: 12%
. Outros: 10%
. Construção civil: 6%

Microregiões
A Regional Oeste está dividida em seis UP´s (Unidades de Planejamento). São elas: Cabana, Jardim América, Barroca, Betânia, Estoril/Buritis e Morro das Pedras.

Parques e áreas verdes
A Regional Oeste conta atualmente com os seguintes parques:
. Parque Jacques Costeau, com uma área de 468.500m²
. Parque Aggeo Pio Sobrinho, com uma área de 269.000m²
. Parque Estrela Dalva, com uma área de 11.912m²
. Parque Buritis, com uma área de 8.278m²
. Parque do Lixão/Morro das Pedras, com uma área de 52.268m²
. Parque da Vila Pantanal, com uma área de 17.851m²
. Parque Haley Alves Bessa
. Parque Nova Granada

Estações de Metrô: Calafate e Gameleira

Cemitérios: Parque da Colina

Educação
Escolas: 15 Escolas Municipais e 3 UMEI’s (Unidade Municipal de Ensino Infantil)

Ensino superior:
1. UNA – Centro Universitário de Ciências Gerenciais, campus Buritis/Estoril
2. Faculdade Estácio de Sá de Belo Horizonte, campus Prado
3. Centro Universitário UNI-BH, campus Estoril
4. Centro Universitário Newton Paiva Ferreira, campus Prado,
Gutierrez e Silva Lobo
5. Faculdade de Minas Gerais – FAMIG, campus Prado

A região Oeste também conta com uma instituição federal de ensino superior, o Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais, o CEFET-MG, com dois campus: um na Avenida Amazonas, bairro Nova Suíça e outro também na Avenida Amazonas, bairro Nova Gameleira.

Centros de Saúde
Possui 15 Centros de Saúde, 1 Unidade de Pronto Atendimento (UPA Oeste), 1 Unidade de Atendimento Secundário (URS Campos Sales), 1 Farmácia Distrital, 1 Laboratório Distrital, 1 CERSAM, 1 Central de Esterilização de materiais e 1 Centro de Esterilização de Cães e Gatos Oeste.

Esporte e Lazer
Campos de várzea, pistas de cooper, quadras e praças esportivas, construídas, conservadas e mantidas pelo poder público municipal, beneficiando a população de baixa renda e proporcionando ao mesmo tempo, lazer, educação e a prática esportiva:
. 17 campos de futebol
. 10 praças com equipamentos esportivos
. 1 pista de cooper
. 6 quadras poliesportivas
. 2 de modalidade única.

Feiras regionais
Feira de Arte e Artesanato da Silva Lobo
Local: Av. Silva Lobo, entre Rua Canaã e Coruripe – Nova Granada
Dia e Horário: Sábados de 10 às 17 horas (semanalmente) — Produtos comercializados: Artesanato, obras de artes, mobiliário, tapeçaria, flores e arranjos, plantas naturais, bolsas, calçados e acessórios, bijuterias, cama, mesa e banho, vestuário.