Projetos imobiliários crescem 19% em Belo Horizonte em agosto

0
576
Obra parada é um dos reflexos da queda da confiança da construção civil
Obra parada é um dos reflexos da queda da confiança da construção civil

Em agosto, foram aprovados 175 projetos imobiliários pela prefeitura de Belo Horizonte, aumento de 19% em comparação ao mês de julho, em que foram registradas 147 aprovações. Ao segmentar por regiões de Belo Horizonte, a Pampulha prossegue em primeiro lugar: 39 projetos, 15 a mais no comparativo com julho (aumento de 62%).

Esses dados integram a pesquisa realizada mensalmente pela Câmara do Mercado Imobiliário (CMI/Secovi-MG), em parceria com a Prefeitura de Belo Horizonte (PBH). O levantamento contabiliza o número de projetos arquitetônicos aprovados na cidade, segmentados por regiões e tipos imobiliários.

A pesquisa registrou, no mês passado, que a região com o maior aumento no número de projetos aprovados foi a Noroeste (26), que compreende bairros como Alípio de Melo, Caiçaras, Carlos Prates, Coração Eucarístico, Padre Eustáquio, entre outros. A região teve alta de 85% em comparação com o mês de julho, em que foram aprovados 14 projetos imobiliários. Destaque também para a regional Centro-Sul (aumento de 57%), passando de 14 em julho para 22 no mês passado.

Na sequência, houve aumentos nas regionais Norte (11 projetos, em julho, para 16, em agosto), Leste (de 14 para 15) e Nordeste (de 16 para 17). No comparativo, a região do Barreiro foi a que obteve a maior redução: de 16, em julho, para oito em agosto. Diminuição também nas regiões Venda Nova (de 22 para 17) e Oeste (de 16 para 15).

Segmentada por tipos imobiliários, a pesquisa de agosto indica que os imóveis residenciais tiveram o maior número de projetos aprovados: 132. Dentro desse segmento, foram aprovados 100 empreendimentos unifamiliares (casas, exceto em conjuntos habitacionais) e 32 multifamiliares (prédios). Os residenciais contabilizaram um total de 442 unidades. Os imóveis mistos (comerciais e residenciais em um mesmo empreendimento) tiveram 17 aprovações, em um total de 106 unidades. Já os não-residenciais (comerciais) foram 26, com um total de 85 unidades.