Preços de imóveis têm alta de 0,13% em fevereiro

0
558
Somente em Belo Horizonte os preços de imóveis subiram mais que a inflação, segundo o Índice FipeZap
Somente em Belo Horizonte os preços de imóveis subiram mais que a inflação, segundo o Índice FipeZap
Aumento dos preços de imóveis, entretanto, ainda é inferior à inflação esperada para o mês; nos últimos 12 meses, preços subiram 0,84% 

Os preços de imóveis residenciais subiram 0,13% em fevereiro, segundo o  Índice FipeZap – que acompanha o preço de venda dos imóveis em 20 cidades brasileiras. Nos últimos 12 meses, a alta foi de 0,84%. Em ambos horizontes de análise, as variações observadas são inferiores à inflação medida pelo IPCA/IBGE: segundo estimativas do Boletim Focus do Banco Central, a inflação esperada é de 0,44%, para o mês de fevereiro de 2017, e de 3,85%, considerando-se os últimos 12 meses.

Individualmente, 9 das 20 cidades pesquisadas apresentaram variação negativa nos preços entre janeiro e fevereiro de 2017. De forma excepcional, apenas em Belo Horizonte o aumento dos preços dos imóveis superou a inflação esperada para o mesmo período.

Considerando a variação acumulada nos últimos 12 meses, 5 das 20 cidades pesquisadas registraram queda nominal de preço. Novamente, apenas em um caso foi observada variação dos preços superior à inflação do período: Belo Horizonte.

Como resultado, o preço médio anunciado do metro quadrado apresenta queda real de 4,58% nos últimos 12 meses.

Em fevereiro, o valor médio do metro quadrado anunciado das 20 cidades foi de R$ 7.701. Rio de Janeiro se manteve como o a referência do metro quadrado mais caro do país (R$ 10.257), seguido por São Paulo (R$ 8.641) e Distrito Federal (R$ 8.427) . Já as cidades com menor valor médio por m2, entre as 20 consideradas pelo Índice FipeZap, foram: Contagem (R$ 3.546), Goiânia (R$ 4.111) e Vila Velha (R$ 4.601). Veja gráfico abaixo.

O Índice FipeZap, desenvolvido em conjunto pela Fipe e pelo portal ZAP Imóveis, acompanha o preço médio do metro quadrado de apartamentos prontos em 20 cidades brasileiras, com base em anúncios da Internet.