PIB da construção civil foi de 8,9% em 2011, diz FGV

0
561
De acordo com o Sinapi, de janeiro a novembro deste ano a mão de obra subiu 6,87%
De acordo com o Sinapi, de janeiro a novembro deste ano a mão de obra subiu 6,87%

O valor adicionado pela cadeia produtiva da construção civil – que envolve construção civil, indústria e comércio de materiais de construção, indústria de equipamentos e serviços – somou R$ 314,8 bilhões em 2011, o que representou 8,9% do PIB do País. Os dados fazem parte do estudo “Impacto dos investimentos em habitação sobre a economia no Brasil”, feito pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) e a Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção (ABRAMAT).

No período de 2008 a 2011, o valor agregado pela construção e pelas empresas, já corrigido pelo Índice Nacional de Custo da Construção (Disponibilidade Interna) – INCC-DI, expandiu-se 37% e 61%, respectivamente. Leia também sobre o Sinapi de maio. O segmento de edificações e incorporação também cresceu em ritmo muito superior ao da média setorial: 54%. Os impostos pagos em toda a cadeia da construção cresceram a uma taxa média anual de 6,72% no período 2008-2011. No segmento de edificações e incorporações, o aumento foi de 13,15% ao ano.

Em 2011, a construção civil gerou 9,2 milhões de empregos
Em 2011, a construção civil gerou 9,2 milhões de empregos

Em 2011, a cadeia produtiva foi responsável pela geração de 12,9 milhões de empregos. O setor da construção civil respondeu pela maior parcela do valor agregado – R$ 204,1 bilhões, ou 65% do VA de toda a cadeia. Dessa forma, o setor foi responsável pelo maior número de ocupados: 9,2 milhões, ou 71,4% do total de pessoas (veja tabela abaixo).

A indústria de materiais e equipamentos representou a segunda principal contribuição ao PIB da cadeia em 2011, somando R$ 57,9 bilhões, ou 18,4% de toda a cadeia. Somadas as atividades de comércio de materiais e serviços e outros fornecedores (Outros elos), estes responderam por um VA de R$ 52,9 bilhões, representando 16,8% do total da cadeia.

No setor da construção, que envolve tanto as atividades realizadas por empresas legalmente constituídas, como as atividades realizadas pelas famílias e pequenos empreiteiros e profissionais autônomos, as empresas respondem pela maior parcela do valor adicionado: R$ 134,9 bilhões ou 66% do VA de toda a construção. No entanto, em relação aos ocupados, as empresas são responsáveis por apenas 29% do total do setor. Por segmento de atividade, as empresas de edificações e incorporação representam 37% do valor adicionado gerado pelas empresas e 25% do VA setorial.

Tabela FGV