Minha Casa Minha Vida terá 40 mil novas unidades

0
154
Na nova modalidade do Minha Casa Minha Vida, as famílias terão subsídios de até R$ 45 mil. Foto: Rodrigo de Oliveira
Na nova modalidade do Minha Casa Minha Vida, as famílias terão subsídios de até R$ 45 mil. Foto: Rodrigo de Oliveira
Serão investidos, ainda neste ano, R$ 3,8 bilhões na nova modalidade do Minha Casa Minha Vida, na Faixa 1,5

O Programa Minha Casa Minha Vida (MCMV) vai contratar 40 mil unidades da Faixa 1,5 até o final deste ano. O Ministério das Cidades anunciou a autorização para a contratação das moradias. A medida atende a famílias com renda de até R$ 2,35 mil, que não estavam contempladas pelas faixas 1, 2 e 3 do Programa. Cada empreendimento pode comercializar até 500 unidades da nova faixa.

A Faixa 1,5 era uma reivindicação antiga dos empresários da construção civil e das organizações da sociedade civil, que enxergavam uma grande lacuna entre aqueles que estavam na Faixa 1 (renda familiar de até R$ 1,8 mil) e os que estavam na Faixa 2 (até R$ 3,6 mil) do MCMV. Para a nova modalidade do Programa, as famílias contarão com subsídios de até R$ 45 mil, para a aquisição dos imóveis, cujo teto do preço da unidade varia de acordo com a região do país.

Para a região metropolitana de São Paulo, Rio de Janeiro e Distrito Federal, ficou definido que os imóveis poderão ser vendidos por até R$ 135 mil, e ter planta de pelo menos 2 quartos, sala, banheiro e cozinha. O financiamento contará com juros reduzidos, de 5% ao ano, com recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS).

Sem sorteios

Diferente do que acontece na Faixa 1 do MCMV, os mutuários da Faixa 1,5 não vão precisar passar por sorteios. Uma vez atendidos os critérios de renda e as exigências para o financiamento imobiliário, eles poderão comprar diretamente com as construtoras e obter o financiamento na Caixa Econômica Federal, um dos agentes financeiros do programa habitacional do Governo.

De acordo com o Ministério das Cidades, estão destinados R$ 3,8 bilhões de recursos para os imóveis da nova modalidade do Programa. Deste total, R$ 1,4 bilhão em subsídios (R$ 1,26 bilhão do FGTS e R$ 140 milhões do Tesouro Nacional), e os demais R$ 2,4 bilhões em financiamentos do FGTS.

Fonte: Caixa