Mercado imobiliário de BH movimenta R$ 4,2 bilhões

0
288
IGP-M, que reajusta os aluguéis, e o INCC, da construção civil, tiveram alta em maio

Preço médio dos apartamentos vendidos na cidade foi de R$ 290 mil

No primeiro semestre de 2011, o mercado imobiliário de BH movimentou, em vendas de imóveis residenciais e comerciais, cerca de R$ 4,2 bilhões. O valor representa um aumento de quase 29% em comparação ao mesmo período de 2010, quando o mercado movimentou R$ 3,2 bilhões. De janeiro a junho de 2011, foram registradas 15.062 transações, o que totalizou aproximadamente 2,36 milhões de metros quadrados de área negociada.

Esses dados são da pesquisa realizada pela Câmara do Mercado Imobiliário e Sindicato das Empresas do Mercado Imobiliário de Minas Gerais (CMI/Secovi-MG) e Instituto de Pesquisas Econômicas e Administrativas da UFMG (Ipead), divulgada nesta sexta-feira (09/09) . O levantamento foi feito com base nas emissões do Imposto sobre Transmissão de Bens Imóveis (ITBI) de janeiro a junho de 2011.

Segundo a pesquisa, o valor médio dos apartamentos vendidos em Belo Horizonte, neste ano, é de R$ 290.355,22. O valor do principal tipo imobiliário, que representa 68,55% do total de imóveis comercializados, é 22,37% maior que a média apurada no ano passado: R$ 237.268,99. Em junho de 2011, o preço médio dos apartamentos chegou a R$ 302.173,73 na capital mineira.

De acordo com o presidente da CMI/Secovi-MG, Ariano Cavalcanti de Paula, “apartamentos geraram, no primeiro semestre de 2011, negócios da ordem de R$ 2,9 bilhão, totalizando área transacionada de aproximadamente 1,18 milhão de metros quadrados”.

De janeiro a junho de 2011, foram vendidos 9.997 apartamentos e 1.729 casas em Belo Horizonte, o que representou 80,37% do valor total de imóveis comercializados na cidade (barracões, vagas residenciais e comerciais, salas, lojas, lotes vagos e galpões, além de apartamentos e casas). Em terceiro lugar no ranking de vendas ficaram os lotes vagos, com 970 negócios (6,02% do valor total). Na sequência, aparecem os galpões, com 114 transações (5,73% do valor total), lojas (397 negócios e 3,79% do valor total) e salas (900 transações e 2,94% do valor total).