Materiais de construção: indústria prevê alta das vendas

0
230
A indústria de materiais de construção prevê uma queda de 2% nas vendas para este ano
A indústria de materiais de construção prevê uma queda de 2% nas vendas para este ano

A Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção (ABRAMAT) divulgou  o termômetro mensal, referente às expectativas para as vendas no mercado interno. Os números apresentados em agosto indicam a retomada da confiança nas projeções sobre as vendas em comparação a julho.

O termômetro revela que 43% das empresas associadas à ABRAMAT têm boas expectativas para o fechamento de suas vendas em agosto. O otimismo ainda é maior para 3% delas, que apostam num período muito bom. Para 35% as vendas serão regulares e para 19% da indústria agosto não apresentará bons resultados.

As vendas de materiais de construção devem crescer, segundo estudo da ABRAMAT
As vendas de materiais de construção devem crescer, segundo estudo da ABRAMAT

Para Walter Cover, presidente da ABRAMAT, ainda é cedo para pensar em uma retomada de vendas na indústria de materiais, porém é alentador ver o aumento de otimismo apontado nesta pesquisa. Para os próximos meses poderá ocorrer alguma recuperação dos resultados, com retomada de pequenas obras e reformas que haviam sido adiadas pelas famílias, bem como à melhoria do desempenho do segmento imobiliário e de infraestrutura”.

O estudo aponta que as expectativas para setembro são ainda mais otimistas com 52% apontando resultados bons e muito bons, 43% de vendas regulares e apenas 5% apontando vendas ruins. O levantamento indica que em agosto, 57% das indústrias de materiais de construção pretendem investir nos próximos 12 meses. O número é 6 p.p. maior do que o apontado em julho.

Leia mais sobre a construção civil. 

Vendas cresceram 7,1% em julho

Segundo a ABRAMAT, em julho, as vendas de materiais de construção cresceram de 7,1% em comparação a a junho. Porém, em relação ao mesmo período do ano passado, os números refletem queda de 11,4%. No acumulado de janeiro a julho houve déficit de 5,7% e sobre os últimos doze meses, retração de 2,3%.

Os números do estudo da ABRAMAT apontam também que os empregos na indústria tiveram crescimento de 3,6% em relação a julho de 2013. Já em comparação ao mês anterior o crescimento foi de 0,5%.