Índice da Construção Civil sobe 0,44% em fevereiro

0
414
O custo da mão de obra em novembro subiu 0,22%, segundo a FGV
O custo da mão de obra em novembro subiu 0,22%, segundo a FGV

O Índice Nacional da Construção Civil (Sinapi), calculado pelo IBGE em parceria com a CAIXA, subiu 0,44% em fevereiro, muito próxima da taxa de janeiro de 2014 (0,45%). Nos últimos 12 meses, o índice variou 0,51%. Em fevereiro de 2013, o Sinapi foi de 0,73%. Estes resultados acumulados levam em conta a desoneração da folha de pagamento de empresas do setor da construção civil prevista na lei 12.844, sancionada em 19 de julho de 2013.

O custo nacional da construção, por metro quadrado, em fevereiro passou para R$ 867,83
O custo nacional da construção, por metro quadrado, em fevereiro passou para R$ 867,83

Quando não considerada a desoneração da folha de pagamento o acumulado nos últimos 12 meses ficou em 7,41%.

O custo nacional da construção, por metro quadrado, que em janeiro fechou em R$ 864,01, em fevereiro passou para R$ 867,83, sendo R$ 480,39 relativos aos materiais e R$ 387,44 à mão de obra. Sem considerar a desoneração da folha de pagamento o custo nacional da construção, por metro quadrado, fechou fevereiro em R$ 927,42,sendo R$ 480,94 relativos aos materiais e R$ 446,48 à mão de obra.

A parcela da mão de obra apresentou variação de 0,11%, 0,15 ponto percentual abaixo da taxa de 0,26% referente ao mês de janeiro. Os materiais, por outro lado, registraram uma diferença de 0,10 ponto percentual, indo de 0,61% em janeiro para 0,71% em fevereiro de 2014.

Os acumulados em doze meses foram: 5,21% (materiais) e -4,78% (mão de obra). Da mesma forma, estes resultados levam em conta a desoneração da folha de pagamento. Não considerando a desoneração da folha de pagamento os acumulados em doze meses foram: 5,34% (materiais) e 9,73% (mão de obra)

Região Norte
A Região Norte, com valor de 0,85%, ficou com a maior variação regional em fevereiro. As demais regiões apresentaram os seguintes resultados: 0,36% (Nordeste), 0,51% (Sudeste), 0,22% (Sul), e 0,31% (Centro-Oeste).

Os custos regionais, por metro quadrado, foram: R$ 884,77 (Norte); R$ 813,53 (Nordeste); R$ 903,72 (Sudeste); R$ 878,74 (Sul) e R$ 873,79 (Centro-Oeste).

Com relação ao acumulado nos últimos doze meses, a Região Sul apresentou a maior variação, 0,69%, enquanto a Região Sudeste ficou com a mais baixa, 0,32%.

Pela pressão exercida pelo reajuste salarial do acordo coletivo, Rondônia registrou a maior variação mensal: 3,05%.