Imóvel para venda e locação com exclusividade. Todo mundo ganha!

1
218
A Bolsa de Valores voltou a ser comparativa ao mercado imobiliário na surpreendente apresentação do presidente da Netimóveis Brasil, Ariano Cavalcanti. Foto: Carlos Olímpia/Divulgação
A Bolsa de Valores voltou a ser comparativa ao mercado imobiliário na surpreendente apresentação do presidente da Netimóveis Brasil, Ariano Cavalcanti. Foto: Carlos Olímpia/Divulgação

Cássia Ximenes *

As vantagens da exclusividade na negociação de um imóvel são maiores

Quando você decide colocar um imóvel para aluguel ou para venda, a sua intenção é que o processo de negociação seja ágil e seguro. Pelos dados que acompanhamos nas pesquisas do setor imobiliário, vemos, com clareza, que a velocidade de venda e locação dos imóveis, que são trabalhados com exclusividade por uma empresa ou rede, aumenta consideravelmente em relação aos que são colocados em várias empresas ao mesmo tempo.

Na lógica simples, pensamos que, quanto mais gente houver trabalhando o produto, mais chances têm de encontrar o cliente perfeito, certo? Errado!  Primeiro, porque as empresas que não têm exclusividade investem menos tempo e dinheiro na busca de possíveis compradores ou inquilinos para o imóvel. Segundo, porque, quando há a exclusividade, a empresa e seus corretores tornam-se mais bem preparados para investir nos potenciais clientes e contribuir na construção de negócios que sejam benéficos para os dois lados.

Outras inegáveis vantagens da exclusividade para a venda ou aluguel do imóvel dizem respeito, por exemplo, à segurança patrimonial. Um imóvel sem exclusividade de negociação corre mais riscos de sofrer danos decorrentes da falta de cuidado durante as visitas, tais como a janela que é deixada aberta, a luz que ficou acessa ou a porta que não foi trancada, permitindo o acesso até mesmo de vândalos. Outra situação igualmente perigosa pode ocorrer em imóveis ainda ocupados, em que objetos de valor estão muitas vezes expostos, sujeitos à subtração por pessoas de má-fé. Dessa forma, a quem se pode atribuir responsabilidade por eventuais prejuízos? Impossível chamar todos à responsabilidade, já que isso certamente não lhes cabe em conjunto.

Falta de controle do imóvel

Nessa mesma linha de convencimento, é bom lembrar que muitas invasões de imóveis ocorrem exatamente quando as chaves se encontram nas mãos de várias corretoras. Isso porque, como já dito, o controle no caso é muito frágil.

Se você ainda tem dúvidas sobre a importância da exclusividade para agilizar e garantir um bom negócio, lembre-se de que ela também torna as informações sobre o imóvel e as condições de negociação muito mais assertivas. E evita que, enquanto um interessado apresenta uma proposta numa corretora, outro possa estar fazendo o mesmo em outra empresa, causando estresse e um desgaste desnecessário. Vamos lembrar aqui de mais um velho e bom ditado:  “Se há muitos comandantes, o navio afunda.”

A cláusula de exclusividade é um grande estímulo para os profissionais investirem em um bom plano de trabalho de inteligência competitiva de mercado, desenvolvendo um planejamento estratégico na prospecção de bons clientes, sem susto e sem medo de perder seu tempo e o do seu cliente.

Para uma negociação do tipo “ganha-ganha”, aconselhamos a concessão do direito de exclusividade a uma única empresa, proporcionando maior celeridade ao processo, segurança financeira, física e jurídica, tanto do bem imóvel quanto das pessoas envolvidas. E, finalmente, certifique-se de que a empresa escolhida é filiada à CMI/Secovi-MG, onde prezamos pela ética e as boas práticas na gestão dos negócios imobiliários.

* Jornalista, especialista em negócios imobiliários, empresária e presidente da CMI/Secovi-MG (Câmara do Mercado Imobiliário e Sindicato das Empresas do Mercado Imobiliário de Minas Gerais).