Imóveis em São Paulo: vendas caem 13,3%

0
544
Em 12 meses, foram vendidos 20.900 imóveis em São Paulo
Em 12 meses, foram vendidos 20.900 imóveis em São Paulo
Vendas de novos imóveis em São Paulo superam lançamentos

As vendas de novos imóveis em São Paulo caíram 13,3% em setembro, de acordo com a  Pesquisa do Mercado Imobiliário, realizada pelo Departamento de Economia e Estatística do Sindiocato da Habitação (Secovi-SP). Foram  comercializadas  1.392 unidades residenciais novas em setembro, contra 1.606 imóveis em agosto. Em relação setembro do ano apaasado, a queda é de 50,1% (2.787 unidades). A forte oscilação em relação a 2014 deve-se à base de comparação, pois setembro foi o terceiro melhor mês em termos de vendas e lançamentos no ano passado.

No acumulado de janeiro a setembro de 2015, foram comercializadas 13.698 unidades, com variação negativa de 4,7% comparado ao mesmo período de 2014, que totalizou a venda de 14.374 unidades.

No período de 12 meses entre outubro de 2014 e setembro de 2015, foram vendidos 20.900 imóveis em São Paulo, uma variação de -5,4% em relação a igual intervalo do ano anterior (outubro/2013 a setembro/2014), quando foram vendidas 22.102 unidades.

No mês de setembro, os imóveis de 2 dormitórios continuaram liderando as vendas, com 44% do total comercializado (612 unidades), seguidos pelos imóveis de 1 dormitório, com 24,6% (343 unidades), de 3 dormitórios, com 23,9% (333 unidades), e de 4 ou mais dormitórios, com 7,5% (104 unidades).

Este mês registrou maior quantidade de vendas de imóveis de 4 ou mais dormitórios no ano, influenciando o VGV (Valor Global de Vendas) e, consequentemente, o tíquete médio das unidades, que passou de R$ 479 mil, em agosto, para R$ 605 mil, em setembro. A cidade de São Paulo encerrou setembro com 26.195 unidades disponíveis para venda, o menor volume do ano. Em termos de tipologia, a maior quantidade de imóveis ofertados é de 2 dormitórios, com 9.224 unidades. Os imóveis de 1 dormitório estão com 8.136 unidades à venda; os de 3 dormitórios com 6.747 unidades e os de 4 ou mais dormitórios com 2.088 unidades.

De acordo com dados da Embraesp (Empresa Brasileira de Estudos de Patrimônio), em setembro foram lançadas 1.057 unidades residenciais na cidade de São Paulo, volume 39,9% inferior ao mês de agosto, quando houve o lançamento de 1.760 unidades. Comparada ao mesmo mês do ano passado, com 4.106 unidades lançadas, a redução foi de 74,3%.

Com 417 unidades, os imóveis de 1 dormitório participaram com 39,5% do total de lançamentos, seguidos pelas 379 unidades de 2 dormitórios (35,9%), as 194 unidades de 3 dormitórios (18,4%) e as 67 unidades de 4 ou mais dormitórios (6,3%).

Mudança – O comportamento do mercado imobiliário da cidade de São Paulo em setembro apresentou uma mudança em relação aos oito meses anteriores. Enquanto as unidades vendidas caíram 13% em relação ao mês anterior, o VGV (Valor Global de Vendas) subiu 9,6%, por conta da comercialização de unidades maiores e de valor mais alto, comportamento que não vinha ocorrendo com frequência em 2015.

No acumulado do ano, as vendas voltaram a registrar queda, ainda que ligeira, em relação ao mesmo período de 2014. Em termos de lançamentos, é possível afirmar que o mercado ajustou sua oferta.

No final de outubro, o governo anunciou novos valores para a terceira fase do programa Minha Casa, Minha Vida, com diferentes limites para as cidades e parâmetros baseados no tamanho da população. Para a cidade de São Paulo, o limite do programa passará de R$ 190 mil para R$ 225 mil. “O mercado contará com um período para se ajustar às alterações e, provavelmente, os efeitos da medida somente poderão ser conferidos no ano que vem”, diz o presidente do Secovi-SP, Claudio Bernardes.