Domicílios no Brasil chegam a 69,8 milhões

0
775
O percentual de domicílios onde a coleta de lixo era feita diretamente por serviço de limpeza foi de 82,9%. Imagem: IBGE
O percentual de domicílios onde a coleta de lixo era feita diretamente por serviço de limpeza foi de 82,9%. Imagem: IBGE
Água canalizada chega a 97,2% dos domicílios, segundo a PNAD-C, do IBGE

Os domicílios no Brasil alcançaram 67,8 milhões, em 2017, segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD-C), do IBGE. Desse montante, 97,2% tinham água canalizada. Destes, 85,7% (ou 59,8 milhões) tinham a rede geral de distribuição como principal fonte de abastecimento de água. Deste último total, 51,8 milhões (ou 86,7%) tinham disponibilidade diária de água. Esse percentual é ligeiramente menor que o de 2016 (87,3%) e essa variação foi puxada, principalmente pelo Centro-Oeste onde, entre 2016 e 2017, reduziu-se de 94,8% para 81,4% a proporção de domicílios com disponibilidade diária de água pela rede geral. No Distrito Federal, percentual de casas com abastecimento diário de água caiu de 99,7% para 43,3%, no período.

A pesquisa mostra que 97,7% das residências possuíam banheiro de uso exclusivo e que em 66,0% deles o escoamento do esgoto era feito pela rede geral ou fossa ligada à rede. Em 30,3% (21,1 milhões de domicílios) o esgotamento sanitário era feito por meio de fossa não ligada à rede, enquanto em 2,9% (2,0 milhões de residências) havia outra forma (diretamente para o rio, por exemplo), percentual que chegava a 8,8% na região Norte.

Coleta de lixo chega a quase 83%

O percentual de residências onde a coleta de lixo era feita diretamente por serviço de limpeza foi de 82,9%. Em 7,9% dos domicílios o lixo era recolhido em caçamba de serviço de limpeza, enquanto em 7,9% deles o lixo era queimado na propriedade. Esta modalidade chegava a 18,2% no Norte e a 16,0% no Nordeste.

De 2016 a 2017, passou de 92,3% para 92,7% a proporção das moradias onde pelo menos um morador tinha telefone celular, enquanto a proporção relativa ao telefone fixo caiu de 34,5% para 32,1%. Na região Norte, o percentual de domicílios com celulares cresceu de 88,1% a 88,8%. Já o percentual de domicílios com telefone fixo teve redução em todas as regiões, com destaque para o Sudeste (de 50,0% para 47,0%).

No país, o percentual de domicílios onde havia computador, inclusive portáteis, recuou de 46,2% para 44,0%, nesse período. Todas as regiões tiveram queda nessa proporção.

A máquina de lavar roupa estava presente em 63,8% dos lares, em 2017, contra 63,0% em 2016. A menor proporção de domicílios com esse bem durável estava no Nordeste (34,3%) e a maior, no Sul (84,4%). No Brasil, em 47,6% dos domicílios havia carro, em 22,4% havia motocicleta e em 10,8%, ambos.

Brasil tem 207,1 milhões de habitantes

Em 2017, a população residente no Brasil foi estimada em 207,1 milhões de pessoas, 4,2% maior que em 2012. Os maiores aumentos populacionais no período foram no Centro-Oeste (7,6%) e no Norte (7,3%).

Entre 2012 e 2017, a população declarada branca era de 90,4 milhões de pessoas, em 2017, uma redução de 2,4% em relação a 2012 (92,6 milhões). As populações preta e parda cresceram 21,8% e 7,7%, respectivamente, no período.