Doar imóvel com usufruto dispensa inventário

1
7425
Fazer doação de imóvel em vida pode evitar inventário
Fazer doação de imóvel em vida pode evitar inventário

Modalidade pode ser utilizada como uma forma de se evitar o inventário

Usufruto é um ônus que o proprietário pode definer em seu imóvel, no qual haverá uma fictícia separação entre a propriedade e o direito de uso e gozo do bem. Assim, quando instituído o usufruto, o dono do bem ficará despido das faculdades de uso e gozo da propriedade, passando a se chamar de nú-proprietário, e o usufrutuário (quem recebe o bem) passará a ter direitos sobre ele. Essa forma instituída por doação é muito utilizada para evitar inventário.

Fazer doação de imóvel em vida pode evitar inventário
Fazer doação de imóvel em vida pode evitar inventário

Quando o usufruto é registrado pelos pais em doação de imóveis, os filhos não precisam fazer inventário de bens em caso de falecimento.

Existem dois tipos de usufruto: o legal e o convencional. O primeiro é instituído por lei, quando, por exemplo, os pais são automaticamente usufrutuários dos bens de filhos menores. O segundo depende apenas da vontade das partes. “O procedimento pode ser realizado em vários casos, porém, o mais usual é quando alguém doa um imóvel a outra pessoa, reservando o usufruto vitalício em seu favor. Ou seja, um pai pode doar o imóvel aos filhos, fazendo com que a propriedade passe a pertencer ao donatário, mas poderá usar o imóvel e até alugá-lo e receber os aluguéis enquanto viver”, explica o advogado imobiliário Alexandre Fadel.

O processo de doação do imóvel só é instituído mediante escritura pública lavrada no cartório de notas e levado a registro perante o cartório de registro de imóveis. Para a conclusão dessa transação há o pagamento do Imposto sobre de Transmissão Causa Mortis ou Doação – ITCD ­– correspondente a 5% sobre o valor do imóvel, avaliado pelo Estado. Há, também, o custo de se lavrar uma escritura e o seu registro, em média R$1.100 para um imóvel de valor de R$200 mil. Entretanto, há possibilidade de instituir o usufruto sem a doação.

Fadel explica que o imóvel objeto de usufruto pode ser alugado e vendido. “No caso dos aluguéis, os valores recebidos pertencem ao usufrutuário. Já nos casos de venda, o usufruto irá junto com o imóvel, salvo se houver a renúncia firmada pelas partes envolvidas e mediante escritura pública de renúncia, que deverá ser assinada por todos envolvidos”.

O advogado Alexandre Fadel lembra que o aluguel por temporada deve ser feito por no máximo 90 dias
O advogado Alexandre Fadel

Há ainda outras particularidades. Em caso de morte das pessoas beneficiadas, o usufruto se extingue automaticamente. Se o beneficiário for casado e, houver a separação dos cônjuges, não haverá a extinção do usufruto, que permanecerá em favor de quem houver sido instituído até o término do prazo escolhido. “Agora, se os filhos forem os beneficiados com a doação do imóvel, eles terão apenas a propriedade limitada, que se tornará plena no término do usufruto. Se o usufruto for determinado por intervenção judicial, em ocasião de separação conjugal, o imóvel continua pertencendo a quem comprou, mas a faculdade da propriedade – usar, gozar, dispor e reivindicar, é concedido aos filhos, que têm direito de residir ou alugar”, pontua Fadel

  • Epifânio soares alves

    Tenho 4 filhos posso doar os 50% que cabem a eles e os outros 50% aos genros?