Decoração com requinte e economia é possível

0
601
No
No "Quarto de Hotel", o arquiteto Júnior Piacesi mostra que requinte na decoração pode viver em plena harmonia com a sofisticação. Foto: Jomar Bragança ​
Profissionais da arquitetura e decoração mostram que é possível ter uma casa bonita e elegante com investimento acessível 

Decoração com elegância e requinte nem sempre é sinônimo de produtos caros. Alguns projetos apresentados Casa Cor Minas 2016 são exemplos que é possível criar um espaço bonito e sofisticado com bastante economia.

O ambiente “Lavabo”, da designer de interiores Iara Santos é um modelo de sofisticação e baixo custo. Em seu espaço, em vez de especificar uma bancada de mármore ou silestone – que é o mais comum de se usar nestes ambientes – para colocar a cuba com torneira, a profissional inovou e especificou uma bancada feita de drywall revestida de vidro com película. “A bancada de mármore custa, em média, R$4 mil e essa bancada feita de drywall e vidro custou R$800, ou seja, cinco vezes mais barata e tão bonita quanto”, esclarece Iara Santos.

Projeto Iara Santos: A economia gerada na bancada feita de dywall e vidro permite o investimento no revestimento diferenciado da parede criando uma bela composição . Foto: Daniel Mansur
Projeto Iara Santos: A economia gerada na bancada feita de dywall e vidro permite o investimento no revestimento diferenciado da parede criando uma bela composição . Foto: Daniel Mansur

Outro modelo de beleza e economia, está presente no ambiente “Quarto de Hotel”, do arquiteto Junior Piacesi. O profissional trabalhou o teto do espaço com telhas sanduíches que são muito fáceis de instalar, têm manutenção barata e um preço bastante atrativo. “Dentre as vantagens em relação a outros tipos convencionais de telhas, a sanduíche se destaca por ser um excelente isolante térmico e acústico, o que gera economia na aquisição do sistema de climatização e redução no consumo mensal de energia. Além de ter maior durabilidade e possuir um excelente acabamento interno, fazendo com que ela sirva de forro e a pessoa não precise investir em gesso, como foi nesse caso”, explica Junior.

Ambiente "Quarto de Hotel", do arquiteto Júnior Piacesi
Ambiente “Quarto de Hotel”, do arquiteto Júnior Piacesi
Parede

Além do teto, o arquiteto também compôs o ambiente com pedras Gabião no revestimento da parede, um exemplo de elemento estético bem legal e também muito econômico. O preço da pedra é de R$7 o metro quadrado. Já o piso e a banheira são feitos do mesmo granito, que possuem charme e um valor bastante acessível: “O piso custa R$80 o metro quadrado e a banheira é 30% mais em conta do que uma tradicional”, conta Junior Piacesi.

A designer de interiores Melina Mundim também inovou em seu ambiente, “Suíte do Casal”, com um projeto elegante e em conta. No espaço, ela deixou a laje do jeito que veio na casa, sem fazer modificações, o que conferiu ao espaço um estilo mais descolado e permitiu que a profissional economizasse neste quesito, investindo em outros elementos do ambiente.

Teto original da casa, paredes e piso de cimento queimado. Assim Melina Mundim criou um ambiente economico e cool. Foto: Rodrigo Tozzi
Teto original da casa, paredes e piso de cimento queimado. Assim Melina Mundim criou um ambiente economico e cool. Foto: Rodrigo Tozzi

“Muita gente acha que para o ambiente ficar bonito é preciso investir no teto, mexendo com gesso, algo que é caro, fazendo rasgos ou rebaixando-o. O teto inacabado deu um ar cool à suíte e é algo que as pessoas podem fazer em casa também. Além disso, foram usados piso e paredes de cimento queimado, que custa R$18 o metro quadrado”, encerra Melina.