Custo da construção civil sobe 0,65% em abril

0
278
O item materiais subiu 1,14% no custo da construção civil em abril
O item materiais subiu 1,14% no custo da construção civil em abril

O Índice Nacional de Custo da Construção Civil – M (INCC-M) registrou, em abril, alta de 0,65%, acima do resultado do mês anterior, de 0,36%, segundo levantamento da Fundação Getúlio Vargas (FGV). O índice relativo a Materiais, Equipamentos e Serviços subiu 0,95%. No mês anterior, a taxa havia sido de 0,41%. O índice referente à Mão de Obra registrou variação de 0,38%. No mês anterior, a variação registrada foi de 0,31%.

O item materiais subiu 1,14% no custo da construção civil em abril
O item materiais subiu 1,14% no custo da construção civil em abril

O INCC-M é calculado com base nos preços coletados entre os dias 21 do mês anterior e 20 do mês de referência.

No grupo Materiais, Equipamentos e Serviços, o índice correspondente a Materiais e Equipamentos registrou subiu 1,14%. No mês anterior, a taxa havia sido de 0,41%. Os quatro subgrupos componentes apresentaram acréscimo em suas taxas de variação, destacando-se materiais para estrutura, cuja taxa passou de 0,33% para 1,29%.

A parcela relativa a Serviços passou de uma taxa de 0,44%, em março, para 0,24%, em abril. Neste grupo, vale destacar a desaceleração do subgrupo vale transporte, cuja variação passou de 1,01% para 0,04%.

Mão de obra


O grupo Mão de Obra registrou alta de 0,38%, em abril. No mês anterior, a variação registrada foi de 0,31%. A aceleração desta classe de despesa continua influenciada pelo reajuste salarial em Salvador.

Quatro capitais apresentaram aceleração em suas taxas de variação: Salvador, Belo Horizonte, Rio de Janeiro e São Paulo. Em contrapartida, Brasília, Recife e Porto Alegre registraram desaceleração.

Confiança melhora

O Índice de Confiança da Construção (ICST) avançou 0,8% entre março e abril, alcançando 76,8 pontos. O resultado sucede quatro quedas consecutivas. Somente nos três primeiros meses de 2015, o índice havia recuado 20,1%. 

A série em médias móveis trimestrais mantém a tendência negativa e a variação interanual, sem ajuste sazonal, em relação a abril de 2014 é de -29,2%. “Os indicadores correntes da atividade seguiram em declínio nos primeiros meses do ano. As demissões continuam elevadas em todos os segmentos da construção, com o estoque de trabalhadores em março retrocendo ao patamar de junho de 2011. Assim, apesar da pequena melhora no mês, nota-se que o empresário da construção segue ainda bastante pessimista”, comentou Ana Maria Castelo, coordenadora de Projetos da Construção da FGV/IBRE.

A melhora do ICST em abril ocorreu predominantemente nos segmentos ligados às obras de infraestrutura: em Obras de Infraestrutura para Energia Elétrica e Telecomunicações, o indicador variou 7,5% em relação a março; em Obras Viárias, 6,1% e em Obras Especiais, 3,3%.  As sinalizações, dadas pelo governo Federal,  de uma possível retomada do programa de concessões a partir de maio podem ter influenciado na melhora relativa das expectativas para os negócios.