Custo da Construção Civil diminui em outubro e fica em 0,33%

0
292
O custo da mão de obra em novembro subiu 0,22%, segundo o INCC da FGV
O custo da mão de obra em novembro subiu 0,22%, segundo o INCC da FGV

O Índice Nacional de Custo da Construção – M (INCC-M) subiu 0,33%, em outubro, abaixo do resultado do mês anterior, de 0,43%. No ano, o índice acumula alta de 7,53% e, nos últimos 12 meses, a taxa registrada é de 8,08%. Os dados foram divulgados pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), nesta segunda-feira (28/10).

Custo da mão de obra ficou estável pelo segundo mês consecutivo, segundo a FGV
Custo da mão de obra ficou estável pelo segundo mês consecutivo, segundo a FGV

O índice relativo a Materiais, Equipamentos e Serviços registrou variação de 0,68%. No mês anterior, a taxa havia sido de 0,91%. O índice referente à Mão de Obra não variou pela segunda vez consecutiva.

O INCC-M é calculado com base nos preços coletados entre os dias 21 do mês anterior e 20 do mês de referência.

Materiais, Equipamentos e Serviços

No grupo Materiais, Equipamentos e Serviços, o índice correspondente a Materiais e Equipamentos subiu 0,82%. No mês anterior, a taxa havia sido de 1,14%. Os quatro subgrupos componentes apresentaram decréscimo em suas taxas de variação, destacando-se materiais para estrutura, passando de 1,06% para 0,95%.

A parcela relativa a Serviços passou de uma taxa de 0,04% em setembro, para 0,17% em outubro. Neste grupo, vale destacar a aceleração do subgrupo aluguel de máquinas e equipamentos, cuja variação passou de -0,24% para 0,25%.

Todas as capitais apresentaram desaceleração em suas taxas de variação.

Tabela INCC-M
Variações percentuais segundo municípios de 7 capitais
Outubro de 2013 Município Variação Percentual
Mês Anterior                   Mês de outubro
INCC – M 0,43                           0,33
Salvador 0,35                           0,28
Brasília 0,53                              0,26
Belo Horizonte 0,28              0,20
Recife 0,46                                0,25
Rio de Janeiro 0,52               0,33
Porto Alegre 0,48                  0,42
São Paulo 0,44                        0,37
Fonte: FGV.