Crédito imobiliário cai 12% em agosto

0
162
O volume de crédito imobiliário diminuiu 12% em agosto, segundo a Abecip
O volume de crédito imobiliário diminuiu 12% em agosto, segundo a Abecip

O volume de crédito imobiliário para a compra e construção de imóveis totalizou R$ 9,2 bilhões em agosto de 2014, segundo dados da Associacão Brasileira das Entidades de Crédito imobiliário e Poupança (Abecip). O número significa  um recuo de 12% em relação a julho e de 12,9% em relação a agosto de 2013, quando atingiu R$ 10,5 bilhões.

Apesar da redução, o valor de agosto deste ano representou o segundo melhor resultado entre os meses de agosto na história do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE).

O volume de crédito imobiliário diminuiu 12% em agosto, segundo a Abecip

Já os números relativos aos primeiros oito meses do ano continuam positivos em relação a igual período do ano passado. Foram financiados R$ 72,8 bilhões para aquisição e construção de imóveis, 3,8% superior a 2013.

Nos últimos 12 meses, até agosto, o volume de empréstimos imobiliários com recursos das cadernetas de poupança do SBPE alcançou R$ 111,8 bilhões, superando em 10,5% o apurado nos 12 meses precedentes.

Em agosto, foram financiadas aquisições e construções de 44 mil imóveis, redução de 12,3% em relação a julho e de 12,4% comparativamente a agosto do ano passado.

Número de imóveis – Entre janeiro e agosto de 2014, foram financiados 351 mil imóveis, volume 2,3% superior ao registrado em igual período de 2013. E nos últimos 12 meses, compreendidos entre setembro de 2013 e agosto de 2014, foram financiados 537,8 mil imóveis, número que superou em 7,2% as 501,5 mil unidades contratadas nos 12 meses anteriores.

Em contraste com a manutenção do juro básico em 11% ao ano, com seus efeitos sobre a competitividade das diversas modalidades de aplicação de recursos, as cadernetas de poupança continuaram com captação líquida positiva.

Em agosto, considerando apenas a poupança nos agentes do SBPE, os depósitos superaram os saques em R$ 946 milhões e, nos primeiros oito meses do ano, o saldo líquido de aplicações foi de R$ 12,1 bilhões.