Confiança da construção civil em Minas é a maior desde 2013

0
64
Em 12 meses, a confiança da construção civil em Minas Gerais cresceu 7,1 pontos. Foto: Pixabay.com
Em 12 meses, a confiança da construção civil em Minas Gerais cresceu 7,1 pontos. Foto: Pixabay.com
Índice de confiança da construção civil atinge 53,1 pontos no estado 

A confiança da construção civil em Minas Gerais, medida pelo  Índice de Confiança do Empresário da Indústria da Construção de Minas Gerais (Iceicon-MG),  aumentou 1,8 ponto na comparação com setembro, atingindo 53,1 pontos em outubro. A pesquisa é realizada pelo Sindicato da Indústria da Construção Civil (Sinduscon-MG). O indicador superou os 50 pontos (linha divisória entre confiança e falta de confiança) pelo segundo mês consecutivo, mostrando otimismo dos empresários do setor. No acumulado de janeiro a setembro, o Iceicon registrou elevação de 9,6 pontos e, em 12 meses, cresceu 7,1 pontos. O índice ficou acima da média histórica (49,7 pontos) e foi o mais elevado desde março de 2013.

Antes dos resultados favoráveis dos últimos dois meses, os indicadores apontavam falta de confiança dos empresários desde janeiro de 2014, com exceção de março de 2014 e março de 2017, quando ficaram praticamente sobre a linha divisória, ou seja, sem sinalizar confiança ou falta de confiança. O índice nacional ficou relativamente estável entre setembro (53,4 pontos) e outubro (53,8 pontos) e também apontou otimismo dos empresários, ao permanecer acima dos 50 pontos.

Expectativa na economia melhora

A alta do Iceicon foi explicada pela melhora do componente de expectativas, que avalia as perspectivas dos empresários em relação ao desempenho da economia nos próximos seis meses. O indicador de outubro (56,3 pontos) aumentou 3,6 pontos frente a setembro (52,7 pontos), sinalizando expectativas positivas pelo segundo mês seguido. O índice foi 5,6 pontos superior ao de outubro do ano passado e acumula crescimento de 8,7 pontos em 2017.

Por outro lado, o indicador de condições atuais recuou 2,0 pontos em outubro (46,4 pontos), evidenciando que os empresários perceberam piora nas condições correntes de negócio. Embora venha apontando insatisfação desde novembro de 2012, o índice foi o melhor para os meses de outubro dos últimos cinco anos e superou sua média histórica, de 42,0 pontos.