Comissão do corretor é um direito

0
469
Kênio Pereira deu dicas de como comprar imóvel no 1º Encontro Imobiliário do Barreiro
Kênio Pereira deu dicas de como comprar imóvel no 1º Encontro Imobiliário do Barreiro
Por aproximar o comprador do vendedor justiça determina o pagamento da comissão do corretor

Kenio - BonecoA comissão do corretor é um direito. Muitos desconhecem a real atividade do corretor de imóveis, o que acaba por gerar conflitos no momento do pagamento da comissão ao profissional. A função primordial do corretor é promover o “encontro” entre vendedor e comprador, ou seja, promover a venda do imóvel.  Mesmo que posteriormente, devido ao arrependimento de alguma das partes, o negócio seja desfeito, o corretor tem direito de receber por seu serviço.  Tal determinação encontra-se no Código Civil (CC) em seu art. 725, “A remuneração é devida ao corretor uma vez que tenha conseguido o resultado previsto no contrato de mediação, ou ainda que este não se efetive em virtude de arrependimento das partes”.

 Alguns vendedores desatentos acreditam que pelo fato de já terem dispensado o corretor, após a apresentação de um pretendente à compra, não faça ele jus a comissão, sendo esse entendimento equivocado. Caso a transação tenha sido concluída devido ao serviço de aproximação das partes realizada pelo corretor, é seu legítimo direito o recebimento de honorários. Em seu art. 727, o CC deixa bem clara essa situação, “Se, por não haver prazo determinado, o dono do negócio dispensar o corretor, e o negócio se realizar posteriormente, como fruto da sua mediação, a corretagem lhe será devida; igual solução se adotará se o negócio se realizar após a decorrência do prazo contratual, mas por efeito dos trabalhos do corretor”.

De acordo com o desembargador do Tribunal de Justiça de Minas Gerais, Antônio de Oliveira Bispo, “o conflito acaba ocorrendo pelo desconhecimento das pessoas que eventualmente colocam um imóvel à venda e desconhecendo o direito do profissional que veio aproximar as partes na transação, acabam por fazer tratativas atinentes ao preço à revelia do corretor, descontando o valor da comissão. É importante registrar que o corretor tem somente a obrigação de promover a aproximação das partes interessadas no negócio. Todo ato a partir de então é privativo dos interessados e o corretor eventualmente pode ou não orientar os interessados, mas só pela aproximação já tem direito à sua comissão”.

Lealdade na transação

O vendedor deve evitar a proposta do comprador que tenta reduzir o preço do imóvel mediante o não pagamento do trabalho do corretor de imóveis. Por exemplo, propondo o pagamento de R$450 mil, por uma casa que esteja sendo vendida por R$500 mil, combinando o não pagamento ao corretor da sua comissão de 6% sobre o valor da transação para estimular o desconto no preço do bem. Esse tipo de conluio pode fazer o proprietário se tornar réu numa ação de cobrança. Isso, porque, após a conclusão do negócio, a lei garante ao corretor requerer em juízo o pagamento da sua comissão integral. Basta provar que foi ele quem aproximou as partes. Logicamente ele foi impedido de participar dos detalhes e da confecção do contrato de compra e venda, por ter sido impedido de atuar diante da malícia do vendedor. O problema é que quem será réu no processo de cobrança é o vendedor, e o comprador terá tido o lucro que desejou diante a obtenção do desconto.

O desembargador do TJMG observa que “a evolução dos meios de comunicação, em especial a internet, tem facilitado o anúncio por parte dos corretores e vendedores, mas nem por isso, a intermediação dos corretores, pode ser minimizada no contrato de corretagem.

Assim, qualquer negociação posterior, feita pelos comprador/vendedor, não deve deixar de considerar o direito daquele que fez a aproximação inicial. Feita a intermediação, a comissão é devida mesmo no caso de prazo determinado para a intermediação e conclusão do negócio após este prazo.   

A lei cuida de resguardar o corretor, da tendência em minimizar o valor do seu trabalho que é somente de agente de aproximação entre os dois pólos do negócio,” finaliza o desembargador Antônio Bispo.

Portanto, não é necessária a opção exclusiva para que o corretor tenha direito ao recebimento da remuneração que lhe é devida, desde que o vendedor tenha autorizado, mesmo que verbalmente, que este apresentasse o imóvel ao pretendente à compra. O proprietário que não deseje pagar a comissão cabe a ele avaliar e promover por conta própria a venda do seu imóvel, correndo os riscos decorrentes do desconhecimento, sendo inaceitável aproveitar-se do trabalho do corretor que dedica seu tempo confiando que será respeitado se conseguir viabilizar a transação. 

Kênio de Souza Pereira

Presidente da Comissão de Direito Imobiliário da OAB-MG

e-mail: keniopereira@caixaimobiliaria.com.br

www.keniopereiraadvogados.com.br

SHARE
Artigo anteriorAlvará na Hora é lançado pela prefeitura de BH
Próximo artigoRevestimentos 3D ganham destaque nos ambientes
Kênio de Souza Pereira Presidente da Comissão de Direito Imobiliário da OAB-MG Diretor da Caixa Imobiliária Netimóveis – BH-MG Conselheiro da Câmara do Mercado Imobiliário e do SECOVI-MG Representante em MG da Associação Brasileira de Advogados do Mercado Imobiliário Árbitro da Câmara Empresarial de Arbitragem de MG (CAMINAS) e-mail: keniopereira@caixaimobiliaria.com.br – tel. (31) 3225-5599.