BAIRROS – Crescimento desordenado ameaça a estrutura do Planalto

0
681
Bairro Planalto tem crescimento desordenado
Bairro Planalto tem crescimento desordenado
Bairro Planalto, na Região Norte de Belo Horizonte, sofre com crescimento desordenado

Gustavo Lameira

Considerado o melhor bairro do lado Norte da cidade, o Planalto virou região, ponto de referência, e seus limites facilmente se confundem com os dos vizinhos Vila Cloris, Campo Alegre e Itapoã. O crescimento das regionais Pampulha e Venda Nova ocasionou seu loteamento nos anos de 1950 e 1960, em terras que pertenciam à família de Américo Renê Giannetti, ex-prefeito de Belo Horizonte (1950-1954).

A proximidade com o cartão-postal Lagoa da Pampulha e Mineirão; as obras da Linha Verde, e a transferência da sede do Governo mineiro para o Vetor Norte fizeram crescer o comércio local, valorizando ainda mais o Planalto. Alternativas de comércio estão em Venda Nova e novo shopping Estação BH, anexo ao metrô Vilarinho.

A região é bastante verticalizada, e segundo o corretor Sérgio Martins (Campos Imóveis), há pelo menos 20 lançamentos em fase de orçamento.

— O perfil dos moradores do bairro se divide entre família e casais novos. E os imóveis mais procurados por aqui são os que têm área privativa e as coberturas. Um apartamento desses, para aluguel, custa de R$ 1.000 a 1.500. Para venda, 350 mil.

Academia no bairro Campo Alegre foi conseguida através do Orçamento Participativo
Infraestrutura

De acordo com administração Norte, a boa infraestrutura do Planalto não demanda, há algum tempo, grandes intervenções do poder público. Há um pedido da comunidade para a revitalização do Parque de Vila Cloris, com grande chance de ser atendido por meio do Orçamento Participativo. O resultado do OP 2013/2014 sai no final deste ano. Benefícios recentes nas imediações foram as academias da Cidade e da Terceira Idade (essa última conhecida como academia a céu aberto), ambas instaladas na praça do Campo Alegre. O Planalto está entre duas importantes áreas de preservação ambiental — os parques do Planalto e Lagoa do Nado —, que também funcionam como espaços para o lazer, prática de esportes e atividades culturais.

Outras avaliações

Rômulo Gusmão, 30 anos, sempre morou no Planalto, e diz que só sai dali se for pra morar mais afastado, em Lagoa Santa, por exemplo, pra ter mais qualidade de vida. “Aqui tem tudo. Tem o Wall Mart, agora! Tem casa lotérica, correios, tem todos os bancos, menos o meu (Santander); três linhas de ônibus para o centro”, listou.

Em relação à segurança, diz que pessoalmente nunca teve problemas, e que percebe o patrulhamento regular da polícia militar. Mas no trabalho, como corretor de seguros, as estatísticas apontam um número considerável de carros roubados na região, e um maior ainda de acidentes, na maioria das vezes sem vítimas, mas com prejuízos.

“Falta estacionamento na Avenida Doutor Cristiano Guimarães, o centro do bairro. O trânsito ali é ruim, a pista é estreita, os motoristas param em fila em dupla, e isso provoca as batidas. Falta fiscalização da BHTrans”, avalia.

Avenida Dr. Cristiano Guimarães, no Planalto
Avenida Dr. Cristiano Guimarães, no Planalto
DJ

Como DJ, sua segunda ocupação, Rômulo sente falta de alternativas de entretenimento.

— O bairro se renovou bastante; a gente quase não vê casa velha. Mas precisa modernizar: não tem Pub, não tem boate pra tocar; só tem boteco.

Arnaldo Fernandes Ferreira é presidente do Conselho de Segurança Pública (CONSEP), ligado às associações de bairro da região, à 16ª companhia (13º BPM) e à polícia civil. Segundo ele, o trabalho conjunto apresenta bons resultados. “Há 64 dias não temos registros de ocorrências nas ruas monitoradas”. Mas aponta o crescimento desordenado como um problema para a região.

— A vinda da Cidade Administrativa pra cá foi um erro. Mais uma vez, os governantes não consultaram a população. Por causa disso, o mercado imobiliário da região está inflacionado. Lotes que não valiam nada, agora, o dono pede 500 mil; o valor do aluguel comercial disparou. Isso elevou muito o custo de vida na região e também atrai os bandidos.

Sobre a falta de estacionamento na Dr. Cristiano Guimarães, o presidente concorda que há necessidade de uma reestruturação da via. “Em 2003, a avenida apresentava esse mesmo problema. Daí nos reunimos com a BHTrans e foi criado um estacionamento em 45°, que hoje não suporta mais o movimento”.

Depoimento de Arnaldo Ferreira, presidente do CONSEP da região, sobre o crescimento desordenado
Arnaldo Ferreira é presidente do CONSEP da região
Orçamento Participativo

A boa infraestrutura do Planalto, que conforme a regional dispensa grandes obras, na opinião do CONSEP dificulta a aprovação do Orçamento Participativo. “A liderança de bairros mais pobres, como Tupi, São Bernardo e São Tomaz, defendem suas demandas alegando que somos um bairro de ricos e que não precisamos tanto. Mas o Planalto precisa urgentemente de iluminação; precisa de um centro de saúde e de mais uma Unidade de Pronto Atendimento (a UPA Norte fica no 1º de Maio); nossas escolas já estão lotadas, precisamos de mais”, reclama.

Ainda de acordo com o Sr. Arnaldo, pelo menos 800 unidades de imóveis estão em construção nas imediações, o que deve dobrar a população local em dois anos. Questão de honra para a comunidade é preservar a Mata do Planalto.

— A gente se mobilizou e aquele projeto pra construção de 11 torres, de 15 andares cada uma, está embargado. A mata é o pulmão do bairro; são várias nascentes, espécies de fauna, flora… Não vamos desistir. Vinte e uma associações de bairro, e diversas entidades ecológicas estão nos apoiando. Não estamos sozinhos nisso.