Arquitetos buscam projetos com maior acessibilidade

0
501
Projeto da arquiteta Flávia Soares mostra portas com 80 cm para facilitar a locomoção de cadeirantes

Segundo o IBGE, 15 milhões de pessoas, ou 14% da população brasileira, têm mais de 60 anos. Os dados do instituto indicam ainda que o número de brasileiros com algum tipo de deficiência física é ainda maior. Mais de 14% da população possui necessidades especiais.  Diante dessa realidade, é urgente que as cidades se organizem de modo a oferecer a essa parcela da população conforto, funcionalidade e acessibilidade, para que possam circular com segurança. E isso começa em casa. Não por acaso, arquitetos e decoradores já começam a ter o cuidado de universalizar seus projetos, ou seja, torná-los acessíveis para todos.

Acessibilidade. Portas devem ter no mínimo 80 cm de largura
Acessibilidade. Portas devem ter no mínimo 80 cm de largura

“Para esse perfil de público é preciso levar em conta os princípios do projeto universal, que tem como diretrizes normas que facilitam o uso do espaço para qualquer pessoa”, avalia a arquiteta Sandra Diniz. A arquiteta Flávia Soares concorda: “Aos poucos, os profissionais estão tendo mais cuidados com questões relacionadas à locomoção na hora de idealizar projetos destinados a residências”.

Questionada sobre quais cuidados devem ser esses, Flávia exemplifica. “Deve haver circulação entre os ambientes, mínimo de 100 metros, portas com largura de pelo menos 80 centímetros, e ainda corrimão nas escadas, que devem ter material antiderrapante nos degraus, além de rampas e pisos. Caso haja desníveis, e eles podem ter até dois centímetros, deve-se planejar circulação vertical por meio de plataformas ou elevadores”.

Sandra acrescenta outras recomendações: “A altura das pias da cozinha e banheiro deve seguir as regras da ABNT. As maçanetas devem ser da linha conforto, possibilitando ao usuário acioná-las até com os cotovelos. Dê preferências a sofás com espuma rígida e assento anatômico e camas com colchões mais altos, que facilitam o ato de deitar e levantar”.

No banheiro, campeão de acidentes como quedas, os seguintes cuidados precisam ser observados: “Instalação de barras de apoio, piso antiderrapante, torneiras acionadas por alavancas, pois são mais seguras e fáceis de manusear, e acentos especiais na área do chuveiro e vaso sanitário são os mais indicados”, enumera Sandra. Flávia lembra ainda da importância das barras de apoio nesse ambiente, além de espaço que possibilite manobrar a cadeira de rodas.

A melhoria na circulação entre os ambientes é uma vantagem
A melhoria na circulação entre os ambientes é uma vantagem

As profissionais fazem questão de ressaltar que seus projetos levam em consideração o acesso para todas as pessoas, independente da sua condição física. “São alterações que atendem os usuários da casa e suas visitas, e visam proporcionar conforto, segurança e bem-estar a todos”, concordam Sandra e Flávia.