Aluguel sobe mais que o dobro da inflação em BH em maio

1
377
Valor do aluguel residencial subiu 0,60% em maio na capital mineira

Oferta de imóveis residenciais aumenta mais de 23% no período

A Pesquisa realizada pela Câmara do Mercado Imobiliário de Minas Gerais (CMI/Secovi-MG) e pelo Ipead (Instituto de Pesquisas Econômicas e Administrativas) da UFMG, divulgada nesta terça-feira (18/06), mostra que o valor do aluguel residencial em Belo Horizonte subiu de 0,60% em maio. No mesmo período, a inflação pelo IPCA-Ipead (indicador da inflação na capital mineira) foi de 0,29%. No comparativo dos últimos 12 meses, a variação do aluguel chegou a 6,77% e a inflação teve aumento de 5,71%.

Aluguéis residenciais em maio de 2013

Inflação IPCA-Ipead

Variação preços dos aluguéis

0,29%

0,60%

O levantamento mostra também que a oferta de imóveis residenciais teve aumento expressivo de 23,40% em maio. O índice de oferta acumulado dos últimos 12 meses também apresentou elevação significativa: 32,01%.

Em maio, a disponibilidade de apartamentos para aluguel cresceu 26,15%. Na sequência, aparecem as casas (12,90%) e barracões (4,35%).

Segmentada por tipos imobiliários, a variação geral residencial obtida em maio indica aumentos para apartamentos (0,44%), casas (1,63%) e barracões (0,89%). Segundo as classes de bairros, os aluguéis de apartamentos apresentaram as seguintes variações: Popular (0,22%), Médio (0,67%), Alto (0,59%) e Luxo (0,35%).

Aluguel comercial sobe 10,31% em 12 meses
O valor do aluguel comercial teve, em maio, aumento de 0,61% e acumula alta de 10,31% nos últimos 12 meses. No mês passado, os preços dos aluguéis comerciais, desagregados por tipos imobiliários, apresentaram as seguintes variações: andares corridos (0,86%), casas comerciais (0,92%), galpões (0,30%), lojas (0,48%) e salas (0,55%).

Já a oferta de imóveis comerciais teve queda (-2,88%) em maio e, nos últimos 12 meses, a oferta acumulada é positiva: 6,07%. Ao segmentar a variação da oferta comercial, em maio, por tipos, o levantamento indica elevação somente para andares corridos: 34,42%. Houve queda na oferta de casas comerciais (-11,86%), galpões (-11,21%), lojas (-12,80%) e salas (-1,69%).