Aluguel novo sobe quase 8% em São Paulo

0
268
Aluguel em São Paulo subiu menos que o IGP-M em 2014, segundo o Secovi-SP
Aluguel em São Paulo subiu menos que o IGP-M em 2014, segundo o Secovi-SP

Os contratos de aluguel residencial firmados em abril na capital paulista apresentaram valores médios 1% superiores aos do mês anterior, de acordo com pesquisa efetuada pelo Sindicato da Habitação de São Paulo (Secovi-SP). No acumulado de 12 meses (maio de 2012 a abril de 2013), a alta atinge 7,96%, percentual maior que os 6,49% da inflação oficial do período (medida pelo IPCA) e que a variação do IGP-M, da Fundação Getúlio Vargas, de 7,30%.

“Ao contrário de um ano atrás, quando a variação do aluguel era muito superior ao IGP-M, agora os dois indicadores caminham bem próximos e a nossa expectativa é de que continuem assim nos próximos meses”, diz Walter Cardoso, vice-presidente de Gestão Patrimonial e Locação do Secovi-SP.

Os imóveis que tiveram as maiores altas em abril foram as unidades de 1 quarto, que registraram elevações no aluguel da ordem de 1,5%. Já os valores de locação das residências de 2 quartos subiram 0,9% e os das unidades de 3 dormitórios, 0,5%.

No período analisado, o fiador foi a garantia mais utilizada, respondendo por 47% dos contratos de locação. Outro tipo de garantia muito usado foi o depósito de até três aluguéis, mecanismo presente em 32,5% dos imóveis locados. O seguro-fiança foi o instrumento jurídico garantidor de 20,5% das unidades alugadas.

As casas e os sobrados foram locados mais rapidamente do que os apartamentos em abril. Enquanto o primeiro tipo de moradia foi escoado em um período médio entre 13 e 30 dias, os apartamentos tiveram IVL (Índice de Velocidade de Locação), que mede em número de dias quanto tempo se espera até que a assinatura do contrato de aluguel, que oscilou de 18 a 37 dias.

Fonte: Secovi-SP.