Aluguel em São Paulo subiu 2% em 2014

0
280
Aluguel em São Paulo subiu menos que o IGP-M em 2014, segundo o Secovi-SP
Aluguel em São Paulo subiu menos que o IGP-M em 2014, segundo o Secovi-SP

Valor do aluguel em São Paulo foi inferior aos 3,69% do IGP-M do período. Em dezembro, alta foi de 0,2%

As pessoas que procuraram moradias para aluguel em São Paulo em dezembro encontraram valores levemente superiores aos observados em novembro. A variação foi de apenas 0,2% no último mês de 2014, segundo pesquisa mensal feita pelo Sindicato da Habitação (Secovi-SP).

Aluguel em São Paulo subiu menos que o IGP-M em 2014, segundo o Secovi-SP
Aluguel em São Paulo subiu menos que o IGP-M em 2014, segundo o Secovi-SP

Em comparação com o desempenho de dezembro de 2013, os aluguéis residenciais subiram em média 2%, percentual inferior aos 3,69% do IGP-M (Índice Geral de Preços – Mercado) no mesmo período. “Dadas as expectativas pessimistas para a economia em 2015, isto é, crescimento do PIB próximo de zero, inflação próxima do teto e contenção de gastos do governo, se não houver nenhuma medida anticíclica por parte do governo federal para reverter esse quadro, não haverá espaço para um crescimento real nos preços do aluguel residencial. Portanto, eles devem acompanhar o IGP-M em 2015”, analisa Mark Turnbull, diretor de Locação do Secovi-SP.

As residências de 1 quarto foram as que tiveram o maior acréscimo de preço em dezembro: 0,4%. Os imóveis de 2 quartos registraram crescimento de 0,2%, ao passo que os valores das moradias de 3 quartos tiveram pequena queda (-0,1%).

A modalidade de garantia mais utilizada em dezembro foi o fiador, responsável por 46,5% das locações efetuadas. O segundo tipo de garantia mais frequente foi o depósito de até três meses de aluguel, utilizado em 34% dos contratos. O seguro-fiança foi usado em um quinto das moradias locadas (19,5%).

Casas foram alugadas mais rapidamente, em um período entre 14 e 34 dias. Os apartamentos demoraram um pouco mais: seu IVL (Índice de Velocidade de Locação), que mede em número de dias quanto tempo se leva para assinar o contrato, apontou prazo médio de 22 a 45 dias.

Fonte: Secovi-SP.