Aluguel comercial em BH é quase o dobro da inflação em 12 meses

0
369
Aluguéis comerciais em Belo Horizonte subiram 7,25% em 12 meses

A valorização dos aluguéis comerciais na capital mineira no acumulado dos últimos 12 meses chegou a 11,17% (no mesmo período, a inflação foi de 5,83%). Já os aluguéis residenciais subiram 7,82%. Os dados são da pesquisa realizada pela CMI/Secovi-MG (Câmara do Mercado Imobiliário e Sindicato das Empresas do Mercado Imobiliário de Minas Gerais) e pelo Ipead (Instituto de Pesquisas Econômicas e Administrativas) da UFMG, divulgada nesta quinta-feira (13/12).

De janeiro a novembro deste ano, o percentual do aluguel residencial foi de 6,75%. Neste período, a inflação acumulada em Belo Horizonte (IPCA-Ipead) alcançou 5,21%. Em novembro, quando a inflação foi de 0,43%, o aumento de preço do aluguel foi de 0,58%. Segmentada por tipos imobiliários, a variação geral residencial apontou, em novembro, aumentos de preços de 0,46% (apartamentos) e 1,53% (barracões). As casas também apresentaram elevações de 1,39%. Segundo as classes de bairros, os aluguéis de apartamentos apresentaram as seguintes variações: Popular (1,24%), Médio (0,37%), Alto (0,48%) e Luxo (0,32%).

O valor do aluguel comercial registrou elevação de 0,84% em novembro e acumula altas de 9,58% (janeiro a novembro de 2012) e de nos últimos 12 meses. No mês passado, os preços médios dos aluguéis comerciais, segmentados por tipos imobiliários, apresentaram as seguintes variações: 1,40% (andares corridos), 0,83% (casas comerciais), 1% (galpões), 0,61% (lojas) e 0,86% (salas).

A oferta de imóveis comerciais para locação aumentou 7,03% em novembro. O acumulado dos últimos 12 meses também é positivo: 5,38%. Segmentada por tipos, a variação da oferta comercial em novembro foi de 6,47% (andares corridos), 9,25% (casas comerciais), 12,72% (lojas), 1,99% (salas) e -6,72% (galpões).

Em relação à oferta de imóveis residenciais para locação, a pesquisa indica queda de 0,93% em novembro. O acumulado nos últimos 12 meses é de 3,21%. No mês passado, o indicador de oferta por tipo de imóveis apresentou elevações para barracões (15,79%) e apartamentos (2,89%). Houve queda expressiva na oferta de casas: -27,34%.