Ações de condomínios em São Paulo caem 6,5%

0
490
Em 2014, foram protocoladas 9.047 ações por falta de pagamento de condomínios em São Paulo, segundo o Secovi-SP
Em 2014, foram protocoladas 9.047 ações por falta de pagamento de condomínios em São Paulo, segundo o Secovi-SP

Levantamento do Secovi-SP mostra que, no ano passado, foram ajuizadas 9.047 ações de cobrança de condomínios em SP, contra 9.681 registradas no ano anterior 

O número de ações de cobrança por falta de pagamento da taxa de condomínios em São Paulo caiu 6,5% no ano passado. De janeiro a dezembro de 2014, foram protocoladas 9.047 ações, contra 9.681 processos em igual período de 2013. O total foi o menor registrado desde o início da série história, em 2006, de acordo com levantamento do Departamento de Economia e Estatística Sindicato da Habitação (Secovi-SP), realizado junto ao Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo.

Em 2014, foram protocoladas 9.047 ações por falta de pagamento de condomínios em São Paulo, segundo o Secovi-SP
Em 2014, foram protocoladas 9.047 ações por falta de pagamento de taxas de  condomínios em São Paulo, segundo o Secovi-SP

Apesar da redução no acumulado do ano, o levantamento apontou aumento no volume de ações em dezembro de 2014. Ao todo, foram 832 ações, o que indica um crescimento de 5,7% em relação a novembro (787 casos) e de 49,4% em comparação ao mesmo mês de 2013 (557 ações).

“Essa queda comprova nossa percepção de que o inadimplente prefere negociar e pagar parcelado”, afirma o vice-presidente de Administração Imobiliária e Condomínios do Sindicato, Hubert Gebara, que acredita que a morosidade na tramitação dos processos desmotiva a busca dos instrumentos legais para solução da inadimplência. “O condomínio prefere receber aos poucos a ter de esperar vários anos por um resultado judicial incerto.”

Aluguel – Já as ações por falta de pagamento de aluguel subiram 2% em 2014 na capital paulista. Foram protocoladas 18.861 ações no período, sendo 15.486 por falta de pagamento.

Leia mais sobre condomínios em São Paulo. 

Fonte: Secovi-SP.