Ações de aluguel em São Paulo caem 1,4%

0
181
Em maio, foram protocoladas 1.651 ações de aluguel em São Paulo
Em maio, foram protocoladas 1.651 ações de aluguel em São Paulo
As 1.651 ações de aluguel em São Paulo representam o menor resultado para um mês de maio desde 1993

As ações de aluguel em São Paulo caíram 1,4% em maio, segundo levantamento efetuado pelo  Sindicato da Habitação (Secovi-SP) no Tribunal de Justiça do Estado. Em maio, foram protocoladas na na capital paulista 1.651 ações locatícias, uma redução de 1,4% em comparação com as 1.674 ocorrências do mês de abril. “Considerada toda a série histórica, iniciada em 1993, esse resultado foi o menor para um mês de maio. Tendo em vista os problemas que afetam a nossa economia atualmente, é de supor que as pessoas estão celebrando acordos e evitando as ações judiciais”, diz Jaques Bushatsky, diretor de Legislação do Inquilinato do Secovi-SP. Em relação às 1.789 ações de maio do ano passado, a retração foi de 7,7%.

Em maio, foram protocoladas 1.651 ações de aluguel em São Paulo
Em maio, foram protocoladas 1.651 ações de aluguel em São Paulo

As ações por falta de pagamento de aluguel foram responsáveis por 87,3% dos casos, com 1.441 processos. As ordinárias ocuparam a segunda posição, com 129 ações e fatia de 7,8%. As renovatórias e as consignatórias participaram, respectivamente, com 4,4% (73 casos) e 0,5% do total (8 processos).

Nos primeiros cinco meses do ano foram registradas 8.101 ações, com variação negativa de 2,8% comparativamente ao mesmo período de 2014 (8.338 ocorrências).

O total acumulado no período de junho de 2014 a maio de 2015 foi de 18.624 ações, representando um crescimento de 0,8% sobre o total verificado de junho de 2013 a maio de 2014 (18.478 processos).

Significado de cada ação:

Consignatória – movida quando há discordância de valores de aluguéis ou encargos, com opção do inquilino pelo depósito em juízo.

Falta de pagamento – motivada por inadimplência do inquilino. 

Ordinária/Despejo – relativa à retomada de imóvel para uso próprio, de seu ascendente ou descendente, reforma ou denúncia vazia.

Renovatória – para renovação compulsória de contratos comerciais com prazo de cinco anos.