Ações de aluguel caem 11,6% em São Paulo

0
242
Aluguel em São Paulo subiu menos que o IGP-M em 2014, segundo o Secovi-SP
Aluguel em São Paulo subiu menos que o IGP-M em 2014, segundo o Secovi-SP

Falta de pagamento de aluguel respondeu por 82% do total, conforme levantamento feito pelo Secovi-SP no Fórum de São Paulo

Em agosto, foram protocoladas na cidade de São Paulo 1.590 ações de aluguel, segundo informações apuradas pelo Sindicato da Habitação (Secovi-SP) no Tribunal de Justiça paulista. Os dados apontam redução de 11,6% em relação aos 1.798 processos de julho. Na comparação com agosto de 2013 (1.516 ações), houve crescimento de 4,9%.

Em agosto foram protocoladas no Fórum de São Paulo 1.590 ações de aluguel
Em agosto foram protocoladas 1.590 ações de aluguel no Fórum da capital paulista

Foram registradas no oitavo mês do ano 1.305 as ações por falta de pagamento de aluguel, o correspondente a 82,1% do total. “Tradicionalmente, a inadimplência responde pela maior parte dos processos”, informa Jaques Bushatsky, diretor de Legislação do Inquilinato do Secovi-SP. As ações ordinárias ficaram na segunda posição, com 192 ocorrências e fatia de 12,1%. Completando o quadro, houve 81 ações renovatórias (5,1% do total) e 12 consignatórias (0,7%).

Considerado o total de processos locatícios acumulados nos primeiros oito meses deste ano, foram protocoladas 13.224 ações, ante as 13.043 de idêntico período de 2013, uma variação de 1,4%.

O total de ações acumuladas de setembro de 2013 a agosto de 2014, de 18.668 casos, foi 1,6% inferior ao acumulado no período de 12 meses encerrado em agosto de 2013 (18.978 ações).

O que  significa cada ação:

Consignatória – movida quando há discordância quanto a valores de aluguéis ou encargos, com opção do inquilino pelo depósito em juízo.

Falta de pagamento – motivada por inadimplência do inquilino.

Ordinária/Despejo – relativa à retomada de imóvel para uso próprio, de seu ascendente ou descendente, reforma ou denúncia vazia.

Renovatória – para renovação compulsória de contratos comerciais com prazo de cinco anos.

Fonte: Secovi-SP.