A influência da arquitetura alemã no Brasil

0
2084
Tanto na edificação como na decoração de interiores, a arquiteta Estela Netto segue o preceito do arquiteto alemão Mies Vander Roh

No ano da Alemanha no Brasil, além de Mozart e cerveja, a arquitetura alemã mostra sua cara

O ano da Alemanha no Brasil já começou. Desde 13 de maio, com o tema “Quando Ideias se Encontram”, o evento está unindo os dois países com o intuito de fortalecer laços, principalmente no que diz respeito à economia, cultura e ciência. Se as relações entre essas duas potências se estreitam apenas agora, na arquitetura, esse movimento é antigo.

Há muito o Brasil bebe na fonte do arquiteto alemão Ludwig Mies Vander Roh. Referência no século XX, ele é inspiração para muitos profissionais brasileiros até hoje. O alemão é mentor da arquitetura que prima pelo racionalismo, clareza e sofisticação. Ele ainda é autor das famosas frases “Menos é mais” e “Deus está nos detalhes”.

Para a arquiteta, especialista em História da Cultura e da Arte e colunista do Portal emorar Estela Netto, Mies Vander Roh é um ícone. “Sem dúvida, ele é uma referência nos projetos mais contemporâneos. A leveza de sua arquitetura, a forma ligada à função, a utilização rica de materiais e a beleza indiscutível de seu mobiliário serão sempre referência para todos, inclusive, para meu trabalho”, salienta.

A arquiteta Adriana Morávia conta que ela também absorve influências do alemão: “Mies Vander Roh é precursor de um estilo baseado na linha reta. Dessa forma, ele está presente no meu trabalho, já que primo pelo uso de linhas retas e de materiais nobres, como mármore travertino, vidro, ônix e aço cromado”.

Influências da arquitetura alemã no Brasil
A poltrona Barcelona. Um ícone do design, criado por Mies Vander Roh. Foto: W Gontijo

Adriana lembra ainda que a poltrona Barcelona, criação do arquiteto alemão, ainda é muito utilizada nos projetos atuais: “Ela fica perfeita em ambientes residenciais e comerciais. A poltrona é composta de uma estrutura de aço, em forma de x, com assento e o encosto em couro”.

Para Estela, a contribuição de Mies Vander Roh para a arquitetura brasileira não foi pontual, mas abrangeu toda uma linha de pensamento sobre o homem, a cidade, uma época. “A corrente desse profissional tem um forte diálogo com o universo das artes. No início, até dialogou com vanguardas europeias e neoplasticistas, o que também acabou por influenciar a arquitetura do mundo”, destaca.

Na prática, as influências do alemão podem ser claramente vistas em projetos que priorizam a funcionalidade e as formas geométricas. “O uso de materiais como aço, vidro, pedras, madeiras e cadeiras clássicas tem origem na arquitetura modernista de Mies Vander Roh”,  diz Adriana.